GEOTA distingue Vencedores dos ‘Prémios Guarda-Rios’ Boas e Más Práticas

0
255
PremiosGuardaRios

Estão encontrados os vencedores da segunda edição dos prémios Guarda-Rios, promovidos pelo Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), que premeiam as entidades mais e menos amigas dos rios portugueses. Distinguidos pelo GEOTA, destacam-se o Ministério do Ambiente pelas más práticas e o Movimento ProTejo pelas boas práticas. Segundo as votações do público, que terminaram no passado dia 9 de agosto e onde foram contabilizados um recorde de 3316 votos, destaca-se ainda o Projeto da Lousada Guarda Rios por boas práticas e os Beneficiários do Mira pelas más práticas.

“O aumento da participação do público comparativamente à edição anterior demonstra uma consciência ambiental crescente por parte da população portuguesa, que entende a urgência de proteger os rios portugueses e a sua biodiversidade”, afirma Catarina Miranda, Coordenadora do Projeto Rios Livres, do GEOTA.

O prémio Guarda-Rios boas-práticas premeia comportamentos que demonstram preocupações ecológicas na gestão dos rios e o envolvimento das comunidades numa perspetiva de sustentabilidade futura, enquanto o prémio Guarda-Rios de luto evidencia práticas danosas aos rios que urge serem alteradas. Foram eleitos pelo público os vencedores do Prémio Guarda-Rios (Boas Práticas) e o Prémio Guarda-Rios de Luto (Más Práticas), havendo uma Menção Honrosa e uma Menção Desonrosa para os segundos mais votados. Em paralelo, o GEOTA também indicou premiados para as boas e para as más práticas.

Entre os premiados pelo público, o Projeto Lousada conquistou o primeiro lugar para as Boas Práticas, com 39,2% dos votos do público, seguido pela Menção Honrosa ao Projeto Peixes Nativos. Os outros nomeados foram o Movimento Viver o Ave, a Câmara Municipal de Loures e a EcoSalix. Já o prémio Guarda-Rios de Luto (Más Práticas) foi atribuído à Associação de Beneficiários do Mira com 28,8% dos votos do público, seguido da Menção Desonrosa à Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Os restantes nomeados para as más práticas foram o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, a Fabrióleo e a Câmara Municipal de Coimbra.

“Pelo seu trabalho e ações na proteção da bacia hidrográfica do Tejo, nomeadamente as iniciativas no âmbito do combate à poluição, da promoção de caudais ecológicos contínuos e de uma melhor cooperação entre Portugal e Espanha na gestão transfronteiriça, o GEOTA reconheceu o Movimento ProTejo com o prémio de Boas Práticas. Ao mesmo tempo, atribuiu o prémio de Más Práticas ao Ministério da Agricultura, como chamada de atenção para as consequências ambientais das suas políticas de promoção da expansão da agricultura intensiva e do regadio através de projetos de construção de novas barragens, como é o caso da barragem do Pisão, que causam a destruição dos ecossistemas ribeirinhos, impactando a biodiversidade e a qualidade da água”, acrescenta Catarina Miranda.

A Gala Guarda-Rios, que contará com um jantar de beneficência, vai realizar-se no Dia Nacional da Água, a 1 de outubro, onde serão entregues os prémios e um certificado a todos os nomeados. As inscrições já estão abertas e todos os detalhes da programação da gala, assim como as reservas de lugares, estão disponíveis aqui.

Mais informações disponíveis aqui.

The SquarePremiosGuardaRios

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui