Solta-Mente: As moscas e o espírito dos Natais há muito tempo passados

0
321
MoscasSelmaNunes

A meu ver, as moscas, apesar de viverem apenas trinta dias, são bichos aborrecidos que voam e pousam por todo o lado impacientando até a mais santa das criaturas.

Apesar da fraca resiliência, são difíceis de acertar com movimentos bruscos: tem de ser de fininho. Não se apanham com vinagre, mas já dizia o poeta Aleixo sobre a capacidade de pousar em tudo quanto é sítio: ora nas coisas mais abjectas, ora em coisas que consideramos melhores – o que me leva a crer que há a hipótese de até uma mosca ter um laivo de bom gosto, quando bafejada por um rasgo de oportunidade.

E perguntas-me, neste momento: porque carga de insectos estarei eu a escrever uma crónica sobre moscas? Há três hipóteses. A primeira: perdi o tino. Enlouqueci a tentar arranjar assunto para esta semana e só me lembrei de moscas. Não aguentei a pressão de estarmos quase no Natal e consequentemente, no final do ano, e queimei o meu melhor tacho quando estava a fazer este arroz.

A segunda hipótese: este embriagante cheiro a Natal, a festas de Ano Novo canceladas (questão de bom senso e bom gosto) misturado com o distinto aroma a urnas que torna feroz até a mais dócil das criaturas. Consigo ouvir o desembainhar de raquetes eléctricas em directos de opinião, enquanto a publicidade apela ao consumismo absoluto, achincalhando os neurónios das necessidades.

A terceira hipótese e a mais altamente improvável: prometi que escreveria sobre moscas e estarei a exibir-me numa linguagem secreta qualquer como um pavão do Jardim Alameda João de Deus. Mas não. Não é nada disso.

Há moscas que fazem mais barulho que outras, mas isso não as faz especiais. A verdade é que para esta crónica, eu estava com a mosca… e uma vez nas urnas, convém acertar-lhe o mais democraticamente possível.

Não se deixem ficar a olhar para os papéis de embrulho amarrotados, a digerir as azevias, embalados por símbolos e lemas de Natais há muito, mesmo muito, passados. Têm bolor. Não pousemos por aí.

Selma NunesMoscasSelmaNunes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui