Monchique completou 249 anos

0
34
MonchiqueAniversario

O concelho de Monchique foi criado por assinatura do rei D. José I em 16 de janeiro de 1773, completaram-se 249 anos. Até essa altura incluía-se no dito “termo” de Silves e contribuía para o sustento da Casa da Rainha, ou seja, as rainhas de Portugal tinham orçamentos próprios e as verbas oriundas desta serra faziam parte desses rendimentos. A sua desanexação foi levada a cabo no tempo em que governava Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido como marquês de Pombal que fez com que o novo concelho passasse a contribuir para a Coroa, isto é, os rendimentos fiscais monchiquenses começaram a ser destinados aos cofres nacionais e já não para custear os gastos da parte feminina da corte.

Esta ação da criação do concelho de Monchique e do concelho de Lagoa, no mesmo dia e incluídos no mesmo documento oficial não surgiu por acaso. Fez parte de um projeto maior muitas vezes designado como restauração do reino do Algarve e que pretendia tornar a região meridional do território continental português mais rica, mais dinâmica e mais contributiva para o país. No século XVIII havia um enorme atraso especialmente económico e era Espanha que se ia aproveitando do que os algarvios, especialmente a sotavento e nas pescarias, produziam. Lisboa aplicou-se então numa atitude fortemente reformista em relação à propriedade fundiária, à agricultura, às pescas, ao comércio, à reorganização administrativa do território com a criação de concelhos e freguesias e a extinção de outros e até a proposta de criação de uma segunda diocese sediada em Portimão, de forma a afirmar a soberania portuguesa por inteiro nesta região.

Nestes contextos todos, aliviaram-se impostos dentro das fronteiras a estimular o comércio interno e chegou a proibir-se a exportação de peixe fresco, por exemplo. Espanha retaliou com aplicação de impostos fortes nos produtos que Portugal exportava, como uma taxa absurda de noventa e dois por cento nos salgados como atum, sardinha e outros peixes. O Governo isentou de impostos totalmente esses peixes em todos os portos portugueses, trouxe homens de negócios do norte para aplicar capital e organizou um consórcio de sociedades portuguesas  em Monte Gordo formada pela Companhia das Vinhas do Alto Douro e pela Companhia das Reais Pescarias do Algarve de que foi nomeado gestor um homem de Monchique, José de Almeida Coelho, que veio a presidir à recém-criada Câmara serrana e era monopolista das madeiras de castanho algum tempo depois na construção de Vila Real de Santo António.

Duzentos e quarenta e nove anos depois há várias lições que se aprenderam e alguns paralelismos com a situação atual que não podem ser ignorados. Algum atraso estrutural e empobrecimento das populações até pela sazonalidade, uma nova gestão local que precisa de ser apoiada e entendida, a possibilidade de se aproveitar fundos para desenvolvimento e recuperação da economia, uma ideia de descentralização quase apontada para a regionalização nunca plenamente conseguida e que pela ação humana inteligente pode consolidar-se.

Nunca como neste momento houve condições para uma restauração do reino do Algarve entendida à luz de uma república que se rege por uma constituição que garante sem margem para dúvidas a unidade e integridade nacionais.

Aquela figura de estilo vai ser aplicada em Monchique ao longo do ano, a partir deste dia 16 de janeiro, para servir de mote a iniciativas diversas. O município e as freguesias vão empenhar-se para que todos possam sentir a importância de assinalar duzentos e cinquenta anos com música, edições, exposições, palestras, seminários, pequenos e grandes gestos de parcerias, investimentos, obras de fundo.

Vamos estar atentos e participativos e fazer com que este ano se torne um grande desígnio para todos os monchiquenses.

Mun de MonchiqueMonchiqueAniversario

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui