Faro | Aeroporto Internacional Gago Coutinho

0
670
Aeroporto-Faro-1
  • Primeiro-Ministro preside a cerimónia de denominação oficial em ano de comemoração do centenário da primeira travessia aérea do Atlântico Norte.

A partir de hoje, o Aeroporto de Faro passa a denominar-se Aeroporto Gago Coutinho, em homenagem ao almirante nascido em São Brás de Alportel, no Algarve, que realizou a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, numa viagem entre Lisboa e o Rio de Janeiro, em 1922.

A cerimónia oficial de redenominação do aeroporto foi presidida pelo Primeiro-Ministro António Costa, numa celebração que contou com as presenças do Ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, dos Chefes de Estado Maior da Armada, Força Aérea e Exército, autarcas e titulares de cargos políticos da região e entidades nacionais da aviação civil e comercial. Esteve também presente o CEO da VINCI Concessions e Presidente da VINCI Airports, Nicolas Notebaert.

Em ano de celebração dos 100 anos desse marco histórico da aviação, importa sublinhar que um dos fatores decisivos para o sucesso desta viagem foi a invenção, por Gago Coutinho, de um aparelho de navegação aérea – um novo tipo de sextante – que por se ter revelado eficaz na navegação entre o Rio Tejo e a Baía de Guanabara, acabou depois a ser utilizado nas décadas seguintes na indústria aeronáutica.

A denominação oficial deste aeroporto foi aprovada pelo Governo em Conselho de Ministros no passado mês de junho, tendo a iniciativa surgido de um movimento de cidadãos.

A travessia de hidroavião que se completou há 100 anos teve início no Rio tejo, em Lisboa, a 30 de março de 1922 e completou-se, na Baía de Guanabara, Rio de Janeiro, em 17 de junho. O Almirante Gago Coutinho foi o navegador dessa aventura de 4500 milhas náuticas (8300 quilómetros). A pilotar o hidroavião estava o comandante Sacadura Cabral.

Para o presidente da VINCI Airports, Nicolas Notebaert, “esta é uma homenagem merecida, porque se trata de celebrar um homem da região que fez história na aviação mundial. Por isso, é justíssimo que o Aeroporto de Faro homenageie o almirante Gago Coutinho, tendo em conta que esta é uma infraestrutura muito relevante para a região e para o país, onde já investimos mais de 100 milhões de euros e continuamos a investir. Um dos mais recentes investimentos foi a construção de uma central fotovoltaica. É a primeira num aeroporto de Portugal, onde planeamos construir mais 6, colocando na próxima década os aeroportos portugueses na vanguarda da sustentabilidade ambiental. Desta forma, reafirmamos o nosso compromisso com o país e com todas as regiões onde temos aeroportos e deixamos, mais uma, vez a garantia que vamos continuar a trabalhar, em conjunto com as regiões, para estreitar distâncias e ligar pessoas e culturas.”

Sobre o Aeroporto Gago Coutinho

O Aeroporto Gago Coutinho em 2019 registou o recorde no número de passageiros, com um total de 9.1 milhões. Em Faro, neste verão operam 27 companhias regulares que viajam para 63 destinos, através da operação de 75 rotas. Inaugurado em 1965 este aeroporto é o principal aeroporto turístico em Portugal e desempenha um papel determinante no desenvolvimento económico do país ao servir os principais polos de turismo do Sul de Portugal e Espanha.

A ANA|VINCI Airports assume, através da aposta em energia verde no aeroporto de Faro, um papel de relevo na prossecução da descarbonização do setor da aviação, em alinhamento com a estratégia para a Neutralidade Carbónica em 2030 e os objetivos e metas estabelecidos para a promoção da sustentabilidade.

A nova central fotovoltaica no Aeroporto de Faro faz parte de um plano de ação global da VINCI Airports em todos os seus aeroportos, com projetos semelhantes já implementados ou em desenvolvimento na República Dominicana, Brasil, Reino Unido, Sérvia, Suécia, França e agora em Portugal.

Este projeto terá uma capacidade instalada de 2,9 MWp e irá permitir produzir 30% das necessidades energéticas do aeroporto, gerando uma poupança anual equivalente a mais de 1.500 toneladas de CO2.

Este projeto – o primeiro em ambiente aeroportuário em Portugal –, insere-se no plano de ações ambientais para a região do Algarve e representa os objetivos no âmbito da sustentabilidade, que são uma prioridade para a empresa.

LPM

Ana-Aeroportos-Port