CCMAR | Novo Estudo revela a Influência das Correntes Oceânicas na Diversidade das Florestas de Mangal

0
367
CCMARAlgarve

Estudo liderado pelo Centro de Ciências do Mar do Algarve (CCMAR), que integra uma equipa internacional de investigadores revela que, para além das alterações climáticas e dos impactos humanos, também as correntes oceânicas têm um papel primordial na regulação da diversidade genética das florestas de mangal à escala global, com implicações para a sua conservação.

As florestas de mangal distribuem-se ao longo das regiões costeiras tropicais e subtropicais. Apesar de oferecem vários benefícios ecológicos e socioeconómicos, como o sequestro de carbono, a proteção costeira, e habitat para importantes espécies comerciais, os mangais encontram-se ameaçados por fatores como as alterações climáticas, a desflorestação e a poluição. É urgente gerir e conservar as florestas de mangal à escala global, e para isso é necessário compreender os fatores que determinam a distribuição da sua diversidade.

Neste estudo liderado pelo CCMAR e publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences, os investigadores, desenvolveram modelos biofísicos à escala global que permitiram estimar até que ponto as populações de mangal estão interligadas ou isoladas pelos padrões das correntes oceânicas. Estas estimativas quando comparadas com informação sobre a diversidade genética de milhares de populações, de dezenas de espécies de mangal, permitiram concluir que a direção e intensidade das correntes oceânicas são determinantes para a diversidade das florestas de mangal.

“Os resultados que obtivemos mostram que as correntes oceânicas têm um papel fundamental na diversidade genética dos mangais, permitindo ou interrompendo o fluxo genético entre populações” explica Lidiane Gouvêa, investigadora do CCMAR e primeira autora do estudo. “O nosso estudo tem implicações para a conservação e gestão dos mangais num contexto de alterações climáticas, pois potenciais alterações na direção e intensidade das correntes oceânicas podem levar ao isolamento das populações e impedi-las de trocar genes. Com o tempo, esse isolamento poderá levar a uma diminuição da diversidade genética das populações, aumentando o risco da sua extinção, o que tem implicações diretas para as comunidades de países tropicais que dependem diretamente das florestas de mangal”. afirmou Jorge Assis, investigador do CCMAR e autor sénior do estudo.

Este estudo fornece importantes perspetivas sobre o papel das correntes oceânicas na biodiversidade dos mangais e sublinha a necessidade urgente de proteger estes ecossistemas e espécies que neles habitam e dependem.

Pode ser consultado online aqui: https://www.pnas.org/doi/10.1073/pnas.2209637120

CCMAR UALg