INTEC | Estudo revela que Municípios do Interior ganharam mais Trabalhadores do que os do Litoral

0
278
INTEC

O novo estudo do INTEC – Instituto de Tecnologia Comportamental -, sintetizado no Relatório de Avaliação de Condições de Vida – Melhores Municípios para Viver, Edição 2023, revela que a taxa de atração líquida é positiva para os municípios do interior e negativa para os do litoral, entre 2019 e 2021.

Analisando os dados por região, observam-se algumas diferenças significativas, com os municípios do Algarve a perderem mais trabalhadores em termos líquidos em comparação com os restantes. Já os municípios que integram a Área Metropolitana de Lisboa foram os que mais ganharam trabalhadores durante o período em análise.

Ainda em termos de emprego, a taxa de indivíduos desempregados diminuiu muito significativamente a nível nacional, entre 2011 e 2021 (p<.001). No entanto, apesar de não se registarem diferenças significativas entre os municípios do litoral e do interior (p=.531), verifica-se que existem mais indivíduos desempregados nos grandes municípios. Observando os dados por regiões, verifica-se que a Região Autónoma da Madeira (RAM) e o Algarve são as regiões com municípios onde a taxa de indivíduos desempregados é maior, contrastando com a Região Autónoma dos Açores (RAA), onde a taxa é mais baixa (p<.001).

No que respeita ao ganho médio mensal dos trabalhadores por conta de outrem, os dados revelam que é maior nos grandes municípios do que nos municípios de média dimensão e é o menor de todos nos municípios pequenos (p<.001). 

Ao nível económico, registou-se uma subida do poder de compra a nível nacional. Mais uma vez, verificam-se diferenças entre os municípios do interior em comparação com os do litoral, revelando estes últimos um maior poder de compra per capita. Também os municípios mais pequenos têm menos poder de compra do que os de grande dimensão. Os dados revelam, também, que o poder de compra per capita é mais elevado na Área Metropolitana de Lisboa, sendo o Algarve a segunda região com maior poder de compra. 

Entre 2019 e 2021, os dados indicam que houve, ainda, uma diminuição no volume de negócios por empresa nos municípios, tendo sido em menor número nos municípios mais pequenos em comparação com os outros. A região do Algarve registou o valor mais baixo, podendo isto ser explicado pela fase pandémica que o mundo e o país passavam, o que interferiu com o turismo na região e, consequentemente, com a atividade económica ao nível dos negócios.

GW