Portimão | Câmara coloca em Hasta Pública Prédio Rústico no Barranco do Rodrigo

0
754
Portimão-Barranco-Rodrigo

A Câmara Municipal de Portimão abriu concurso relativo à hasta pública para alienação de bem imóvel constituído por prédio rústico sito no Barranco do Rodrigo, Freguesia e Concelho de Portimão.

Com a área total de 373.320,00 m2, os interessados podem consultar o respetivo processo no portal da autarquia: https://www.cm-portimao.pt/doc-hastas-publicas e no Gabinete de Gestão do Património Municipal, da Divisão Administrativa, no edifício dos Paços do Concelho, sito na Praça 1.º de Maio, em Portimão, nos dias úteis, das 9h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00.

O futuro lote destina-se à execução de operação de loteamento, das respetivas obras de urbanização (infraestruturas locais) e das infraestruturas gerais, nos termos descritos nas peças do procedimento, assim como do estabelecido no regulamento, planta de implantação e planta de condicionantes que compõe o Plano de Pormenor do Barranco do Rodrigo, e no relatório que o acompanha, que são vinculativos para o procedimento e para os contratos que dele resultem.

Os interessados deverão dar entrada das propostas nos serviços camarários até às 17h00 do próximo dia 9 de outubro.

Venda de terreno no Barranco do Rodrigo para moradias viabilizará grande parque urbano e infraestruturas do futuro Campus Universitário.

Conforme noticiado em agosto passado, esta hasta pública insere-se no âmbito do terreno para onde esteve previsto um projeto que incluía complexo desportivo, superfície comercial e área residencial. A totalidade do mesmo tem cerca de 40 hectares, nos quais a autarquia pretende construir um grande parque urbano, com 18 hectares.

Ainda neste mesmo local, será cedido à Universidade do Algarve (UAlg) um terreno destinado à criação do futuro Campus Universitário de Portimão, incluindo dormitório para alunos, cujo processo deverá ser candidatado a fundos comunitários pela instituição algarvia de ensino superior.

Na sequência desta estratégia municipal, fica sem efeito a superfície comercial há mais de uma década autorizada para a zona.

CM Portimão