“Portimão, Terra Democrática” celebra meio século da Revolução dos Cravos

0
62
Portimão-Terra-Democrática-1

Lançamento da primeira pedra da construção de 200 fogos destinados à habitação a custos controlados na zona de Vale de Lagar é um dos destaques da programação, que inclui exposições, conferências, música, lançamento de livro, esculturas, dança e atividades que visam exercitar a cidadania ativa, especialmente junto da comunidade escolar.

Portimão celebra o cinquentenário da Revolução de 25 de Abril de 1974 com um abrangente programa de atividades ligadas às artes, ao associativismo e à cidadania ativa, celebrando com dignidade a data maior da democracia portuguesa.

Sob o mote “Portimão, Terra Democrática”, a programação oficial inclui exposições, conferências, música, dança, desporto e muitas outras manifestações, tendo por objetivo reforçar a memória coletiva e enfatizar a relevância atual dos valores e das conquistas de Abril na construção e afirmação de um país progressista e igualitário, especialmente junto da população estudantil.

Os momentos oficiais que marcarão meio século em liberdade arrancam a partir das 18h00 do dia 18, com a inauguração na Casa Manuel Teixeira Gomes da exposição “Memórias de Abril”, que apresenta meia centena de documentos fotográficos inéditos, captados para a posteridade pelo fotojornalista Marques Valentim e que ilustram 50 anos de democracia.

A mostra, organizada pela autarquia, retrata a história de Portugal do pós-25 de Abril de 1974 e das suas mais relevantes figuras e acontecimentos, podendo ser vista até 31 de maio, no seguinte horário: de terça a sexta-feira, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às17h00, e aos sábados, entre as 14h00 e as 17h00.

Às 19h00 do dia seguinte, 19 de abril, será inaugurada no Museu de Portimão a exposição “the portuguese prison photo projet”, que permite ao público uma perceção das prisões portuguesas pela fotografia de imagens contemporâneas de dois fotógrafos, o português Luís Barbosa e o suíço Peter Schulthess, que deram especial enfoque na detenção política pré 1974.

Patente até 1 de setembro, a mostra é uma organização conjunta da Associação GefangnisForschung-Suiça e da Câmara Municipal de Portimão, podendo ser vista no seguinte horário: terça-feira, das 14h30 às 18h00, de quarta-feira a domingo, das 10h00 às 18h00.

No âmbito desta exposição, o Museu de Portimão recebe a 19 e 20 de abril a conferência “Prisões e regimes de detenção em Portugal: antes e depois de 1974”, igualmente organizada pela Associação GefangnisForschung–Suiça e da Câmara Municipal de Portimão, que no primeiro dia contará com a participação dos dois fotógrafos, para falarem sobre os seus objetivos, ideias de projetos e mostras anteriores,

O encontro decorrerá das 14h00 às 18h30, sendo abordados temas relacionados com os regimes prisionais e a vida na prisão antes da revolução de 1974.

O programa do segundo dia da conferência realiza-se entre as 10h00 e as 13h30 e centrar-se-á na influência da revolução de 1974 nas condições prisionais e no desenvolvimento dos regimes prisionais em Portugal. Além dos representantes da administração prisional portuguesa, também os representantes dos órgãos de observação nacionais e internacionais tomarão a palavra.

As inscrições para a conferência são gratuitas, mas obrigatórias, e devem ser feitas em: www.museudeportimao.pt

No dia 23 de abril terá lugar às 15h00 ainauguração e apresentação pública do Centro de Dia São Camilo de Léllis, espaço inclusivo do Centro de Apoio a Idosos de Portimão. A estrutura pugna pela prática de cuidados com a saúde mental e física dos utentes, para que se mantenham atores de sua própria vida, convidando a comunidade e as escolas para uma partilha de saberes e tradições entre utentes e visitantes.

Um dos pontos altos das celebrações terá lugar às 11h00 do dia 24 de abril, com o lançamento da primeira pedra do projeto municipal de construção de 200 fogos destinados à habitação a custos controlados, a erigir na zona de Vale de Lagar.

O projeto faz parte da estratégia de combate às carências habitacionais do concelho e contempla a construção de 85 fogos T1, 105 fogos T2 e dez fogos T3.

Destaque no mesmo dia paraa inauguração (15h00) da escultura “Flores de Abril”, de Santos Carvalho, que ficará na Rotunda Moinhos de Maré, junto ao Parque de Feiras e Exposições de Portimão.

Esta peça escultórica foi criada com ointuito de dignificar a revolução pacifica e o seu impacto na sociedade portuguesa, enaltecendo os valores da democracia e realçando os 50 anos do 25 de Abril.

Às 18h00, o Museu de Portimão recebe a apresentação do livro “O Algarve em transe – Os Loucos Anos 60 e 70 em Portimão”, de Maria João Raminhos Duarte, numa edição promovida pela Câmara Municipal de Portimão, através da Biblioteca Municipal Manuel Teixeira Gomes.

Na obra, a autora relata com detalhes os acontecimentos que marcaram as décadas de 1960 e 1970 em Portimão e no Algarve, desde o ‘boom’ do turismo até à Revolução dos Cravos, constituindo uma leitura essencial para quem quer entender o passado e o presente desta terra e da própria região algarvia.

Segundo Maria João Raminhos, “o que se pretende demonstrar é que Portimão, pelas suas características particulares, antecipou muitas das mudanças ocorridas depois da Revolução dos Cravos no campo dos valores e no modo de vida dos portimonenses” ao longo das décadas abordadas.

A noite de 24 de abril será preenchida pelo Grande Concerto de Encerramento “Comemorações dos 50 Anos do 25 de Abril de 1974”, com a atuação de José Cid no Portimão Arena, cujas portas abrem às 20h00.

Responsável por alguns dos maiores sucessos da música portuguesa, com mais de 60 anos de carreira, 25 discos de prata, oito de ouro e três de platina, além de inúmeros prémios em Portugal e no estrangeiro, José Cid continua a atravessar gerações com êxitos de sempre, como “20 anos”, “Cai Neve em Nova York” “Um Grande, Grande amor”, “Minha Música”, “A Rosa Que Te Dei”, “Ontem, Hoje e Amanhã”, entre muitos outros.

A entrada para o espetáculo é gratuita, sendo necessário bilhete, que pode ser levantando a partir de 19 de abril no Portimão Arena, no Teatro Municipal de Portimão ou no Museu de Portimão.

Cinco décadas em liberdade

O dia 25 de abril começará às 9h00 na Praça 1.º de Maio, com a evocação da efeméride, hastear das bandeiras, largada de pombos, arruada e interpretação do hino nacional pela Banda da Sociedade Filarmónica Portimonense e Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Portimão, enquanto o tiro de partida da tradicional Corrida da Liberdade será dado às 10h00, junto ao coreto da Praça Manuel Teixeira Gomes.

O salão nobre dos Paços do Concelho receberá pelas 10h30 a sessão solene das comemorações oficiais, dos 50 anos do 25 de Abril de 1974, com intervenção dos representantes dos partidos políticos com assento na Assembleia Municipal, da presidente deste órgão autárquico e da presidente da Câmara Municipal de Portimão.

Está marcada para o mesmo local, a partir das 15h00, a assinatura dos contratos programa relativos a este ano entre o Município de Portimão e o movimento associativo,

Para as 18h00 foi agendada a inauguração, junto ao Clube Naval de Portimão, das peças produzidas por ocasião do 8.º Simpósio Internacional de Escultura, sob o tema “Liberdade”, que contou com a participação dos escultores Hitoshi Tanaka (Japão), Liu Yang e Li Zhao (China), Aktham Abdulhamid (Síria) e Canan Zongur (Turquia), sob produção da Associação Cultural Cuneo Sularte.

A partir das 19h00, começará na antiga Lota a cerimónia de homenagem aos autarcas portimonenses, com apresentação da reedição do livro “Poder Autárquico em Portimão – 50 anos”, numa sessão aberta a todos cidadãos que já desempenharam funções nos diversos órgãos autárquicos do concelho, entre câmara e assembleia municipal e juntas e assembleias de freguesia.

A programação oficial encerra a 26 e 27 de abril no TEMPO – Teatro Municipal de Portimão, com o espetáculo de dança “Memórias Vividas”, a cargo da Associação Cultural Dancenema, por encomenda da Câmara Municipal de Portimão.

Co-criação de Nilsen Jorge e Thora Nadeshka, com conceito e assistência coreográfica de Sofia Brito, esta performance de dança contemporânea teve como ponto de partida a recolha de testemunhos de ‘memórias vividas’ durante a época da ditadura, o antes e o depois do 25 de Abril, partilhadas por quem viveu este período e ainda cá está para deixar o seu legado.

Em palco, quatro bailarinos honrarão as memórias que não devem ser esquecidas e trarão para o presente uma reflexão de um passado vivido para celebrar a Democracia e valorizar a conquista da Liberdade.

Estão agendadas para as 11h00 e as 15h00 do dia 26 duas sessões dirigidas às escolas, enquanto o público poderá apreciar este espetáculo de dança no dia 27 de abril, a partir das 21h00, devendo adquirir o respetivo bilhete em https://tempo.bol.pt

O percurso deste projeto cultural, que contou com cinco episódios de entrevistas feitas a quem experienciou o regime salazarista, foi registado por Pedro Pinto, cujas imagens podem ser vistas de 18 de abril a 6 de maio no espaço do Café-Concerto do TEMPO.

De pequenino se molda o democrata

A comunidade escolar constitui uma das prioridades das comemorações, através da promoção de várias atividades, de que é exemplo o bootcamp “Conselheiros da Cidadania”, que desde fevereiro passado tem juntado alunos da DUAL Qualificação Profissional – Centro de Portimão e da Escola de Hotelaria e Turismo de Portimão (EHTP) para simularem uma eleição, criando listas, programas eleitorais e a respetiva campanha, numa organização Mypolis.

Após a votação em urna, com aplicação do método D’Hondt, os eleitos assumirão um papel informal de trabalho com a autarquia de Portimão em desafios relacionados com a participação jovem ou outras áreas temáticas, os quais estão a ser apresentados esta sexta-feira, 12 de abril na EHTP.

Outra iniciativa que relaciona a educação e a cidadania ativa intitula-se “Exploradores da Cidadania” e terá lugar a partir das 10h00 de 17 de abril no salão nobre dos Paços do Concelho, com a participação de alunos do 10º ano da Escola Secundária da Bemposta em reunião de câmara.

Às 13h30 dos dias 17 e 18 de abril, o TEMPO recebe duas sessões para escolas do espetáculo musical “O Proibido, os Jovens e o 25 de Abril de 1974”, com a atuação interativa e de improviso dos artistas Rui Afonso e Brais Álvarez.

Neste espetáculo, organizado pela Câmara de Portimão, os alunos explorarão as emoções e sensações de três elementos (Ditadura, Liberdade e Democracia) e a forma como evoluíram no tempo.

Na Praça da República pode ser visitado entre as 10h00 e as 17h00 de 18 de abril o roadshow de âmbito nacional “Eleições Europeias 2024”, que proporciona atividades educativas não formais, digitais e informativas, com o objectivo de promover uma maior consciência dos valores democráticos e das oportunidades disponíveis para os jovens na União Europeia.

Com visitas guiadas para escolas, esta ação é organizada pela Agência Nacional Erasmus+ Juventude/Desporto e Corpo Europeu de Solidariedade, com o apoio do Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal e da Representação da Comissão Europeia em Portugal, contando com os apoios locais da Dypall e da Câmara de Portimão.

No dia 19 (10h15), o salão nobre dos Paços do Concelho será cenário para a atividade “Exploradores da Cidadania”, na qual participarão alunos do 4º ano da Escola Básica da Pedra Mourinha, no âmbito do programa com o mesmo nome desenvolvido pela MyPolis, cujo objetivo é capacitar os alunos para darem os primeiros passos enquanto cidadãos ativos. 

Por fim, o auditório do Museu de Portimão recebe na manhã de 23 de abril, às 10h00, uma sessão para escolas da visualização da pré-montagem de 25 minutos do filme “Mulheres de Abril”, com a participação da realizadora Raquel Freire, que estará à conversa com os alunos.

Conferência, tertúlia e muito mais

Para além destes momentos oficiais, realce para a Teia D’Ideias ao final de tarde desta sexta-feira, 12 de abril, promovida na Casa Manuel Teixeira Gomes pela Associação Teia D’Impulsos, com início às 19h00 e inspirada no mote ‘A liberdade de partilhar boas ideias’. A sessão, de entrada livre, terá transmissão em direto na página de Facebook da Teia D’Impulsos.

Ainda nesta área, realiza-se no auditório do Museu de Portimão a 13 de abril (17h00) a tertúlia “Nós estávamos em Portimão no 25 de Abril”, com organização do GAMP – Grupo de Amigos do Museu de Portimão.

O objetivo é dar voz a um conjunto de cidadãos que vivenciaram em Portimão, pessoal e diretamente, a histórica transição da ditadura para a liberdade e o regime democrático.

Com moderação da jornalista Elisabete Rodrigues, os coronéis José Glória Alves e Carlos Branco, as professoras Madalena Gracias e Regina Serrano, José Gameiro, diretor científico do Museu de Portimão, e Carlos Romão Reis, vice-presidente da direção do GAMP, irão recordar aspetos relevantes dos acontecimentos ocorridos e iniciados a partir dos dias 24 e 25 de abril de 1974.

No contexto do projeto A Bibioteca Fora de Si, João Ventura vai apresentar a 26 de abril o livro “Ácido”, de Luís Filipe Sarmento, numa sessão marcada para as 21h00 no Clube União Portimonense.

Durante esta iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Portimão, em parceria com a coletividade anfitriã e a editora The Poets and Dragons Society, Hugo Teixeira (voz) e Paulo Segurado (teclas) interpretarão apontamentos musicais de Jim Morrison.

Luís Filipe Sarmento, nascido em Lisboa numa época em que a liberdade era quase considerada tão perigosa quanto um elefante solto numa loja de porcelana, decidiu ser escritor e pensador. Traduzida em mais de 17 idiomas, a sua obra procura sempre, e sem restrições, a utopia de uma humanidade plena.

A programação evocativa de “Portimão, Terra Democrática” tem muitos outros motivos de interesse e foi preparada pela Câmara Municipal em conjunto com as forças vivas da sociedade local, do movimento associativo aos diversos partidos políticos, sendo dirigida aos cidadãos desta terra que, desde a primeira hora, abraçou os princípios da liberdade.

O programa completo poderá ser consultado em https://www.vivaportimao.pt/

CM Portimão