Já são conhecidos os vencedores da 6ª edição PLAY – Prémios da Música Portuguesa

0
99
Gala-Prémios-Play6
  • Slow J foi o artista que recebeu mais distinções (duas categorias): Melhor Artista Masculino e Prémio da Crítica, pelo álbum “Afro Fado”.
  • Público elege “Maria Joana” — de Nuno Ribeiro, Calema e Mariza — Vodafone Canção do Ano.
  • Prémio Carreira atribuído ao maestro Victorino D’Almeida.
  • Restantes galardoados: Sons do Minho, Calema, T-Rex, Bárbara Bandeira, Ricardo Ribeiro, LEO2745, Pedro Mafama/André Caniços, António Pinho Vargas, Mário Costa e DENNIS, MC Kevin o Chris.

Foram esta noite (16 de maio) revelados os 14 vencedores, de entre 50 artistas nomeados, da 6.ª edição dos PLAY – Prémios da Música Portuguesa, que decorreu no Coliseu dos Recreios, ficando a gala ainda marcada pelas muito aguardadas sete atuações musicais — duas com cante alentejano e uma com tecnologia com 5G — e por um momento de improviso ao piano protagonizado pelo maestro Victorino D’Almeida.

Slow J foi o artista que arrecadou mais distinções nesta cerimónia: Melhor Artista Masculino, votado pela Academia (um feito já conseguido em 2020) e Prémio da Crítica, atribuído pela imprensa ao seu álbum “Afro Fado”. O hip-hop continuou a dar cartas no evento e somou mais dois galardões, com LEO2745 a ser o escolhido para Artista Revelação e T-Rex para Melhor Álbum com “COR D’ÁGUA”.

Ainda no que toca a álbuns, o fadista Ricardo Ribeiro viu o seu “Terra que Vale o Céu” ser reconhecido como Melhor Álbum Fado; “LAMENTOS” valeu ao pianista António Pinho Vargas o Melhor Álbum de Música Clássica/Erudita e o trabalho “Chromosome”, do baterista Mário Costa,foi coroado como Melhor Álbum Jazz.

Pelo segundo ano consecutivo, os Calema foram agraciados com o Prémio Melhor Grupo, tendo também o seu nome associado, ainda que de forma indireta, a outro primeiro lugar. Apresentada na gala do ano passado, “Maria Joana” — de Nuno Ribeiro, Calema e Mariza — foi nesta edição eleita Vodafone Canção do Ano, a única categoria decidida pelo público (nas redes sociais PLAY e na App My Vodafone) e que agora bateu records, com 39 709 votos, um aumento de quase 50% em relação a 2023.

E foi precisamente a vencedora da Vodafone Canção do Ano 2022, Bárbara Bandeira — com “Onde Vais” — ­que agora conquistou o seu segundo prémio PLAY: Melhor Artista Feminina. Quem também bisou na gala foi o realizador André Caniços, recebendo, desta vez com Pedro Mafama, o Melhor Videoclipe, por “Estrada”, sendo que em 2022 ganhou na mesma categoria com Ana Moura, por “Andorinhas”.

Pelo primeiro ano a concurso e com forte adesão a nível de submissão de candidaturas, o Prémio Música Ligeira e Popular foi entregue ao grupo Sons do Minho pelo tema “Recomeçar”, uma mensagem de celebração da vida. Por outro lado, “Tá Ok” foi a música que garantiu ao funk dos brasileiros DENNIS, MC Kevin o Chris o passaporte para o Prémio Lusofonia.

Já o Prémio Carreira foi concedido ao maestro Victorino D’Almeida pelos seus mais de 70 anos dedicados à composição e à divulgação da música clássica. A habitual homenagem desta categoria contou com uma retrospetiva da vida pessoal e do percurso profissional desta figura emblemática e ainda com uma atuação improvisada do próprio ao piano. O troféu foi entregue pelo presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas.

Além do anúncio dos vencedores das 14 categorias, as atuações musicais entre vários artistas também são consideradas momentos-chave do certame. Como era expectável, as sete performances desta edição — com direção artística de Cifrão — fizeram, como é costume, o público vibrar, mercê do cruzamento de diferentes abordagens, linguagens e estilos como pop, rock, r&b, fado, jazz e hip-hop.

De frisar que, pela primeira vez na história dos PLAY, o cante alentejano — classificado como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2014 — subiu ao palco e em dose dupla: Pedro Mafama & Grupo Coral Paz e Unidade de Alcáçovas e La Família Gitana apresentaram “Sem Ti” (novo single lançado há cerca de um mês) e os D.A.M.A & Buba Espinho com Mike11 e os Bandidos do Cante interpretaram o tema “Casa”.

Também abrilhantaram a noite artistas que já criaram trabalhos conjuntos, tais como: Diogo Piçarra & Pedro Abrunhosa com o medley entre “Tudo o que te dou” e “Amor de Ferro”; Murta & Diana Lima, com “Tu Sabes”; SYRO & Bispo,com “Brutos Diamantes”; e ainda o projeto Duas Vozes Quatro Mãos (de Camané & Ricardo Ribeiro com João Paulo Esteves da Silva & Mário Laginha) com “Fama de Alfama” e “Saudades Trago Comigo”.

Além destas seis atuações, o Momento Vodafone também surpreendeu, como acontece desde a primeira edição. Além das câmaras de televisão estarem a filmar em direto no tradicional formato horizontal, JÜRA entrou em cena com um smartphone e gravou 100% na vertical a sua performance — um medley composto pelo seu repertório “Coração”, “Milagre” e “Avidadá” —, exibindo imagens únicas do palco, de si e do público.

Os (tel)espectadores puderam, assim, assistir a um espetáculo inédito, dado que garantiu alternância de formatos e maior proximidade aos presentes na sala. O sucesso tecnológico, que é extensível a outras áreas de atividade, ficou a dever-se à máxima estabilidade, qualidade e velocidade da rede 5G da Vodafone, a qual permitiu a ligação do telemóvel em tempo real à régie para transmissão ao vivo.

Como sempre a gala foi conduzida por Filomena Cautela — sendo que neste ano fez dupla com Inês Lopes Gonçalves (com quem já tinha trabalhado nas duas primeiras edições) ­— e transmitida em direto pela RTP1, RTP África, RTP Internacional, RTP Play e Antena1. As entrevistas aos convidados na passadeira vermelha estiveram a cargo dos repórteres digitais Alexandre Guimarães e Catarina Moreira.

Os PLAY — Prémios da Música Portuguesa são promovidos pela Audiogest, que gere e representa os direitos das editoras multinacionais, nacionais e independentes,e ainda pela GDA, entidade que gere os direitos dos artistas, intérpretes e executantes. Todos os processos de candidaturas, nomeações e seleção de vencedores — os quais podem envolver Academia (235 profissionais ligados à música), comités especializados, jornalistas e público —, por questões de transparência, são auditados pela PwC.

Criados em 2019 com o objetivo de celebrar e promover o talento e a carreira dos artistas portugueses e lusófonos, os Prémios PLAY são atualmente a grande festa da música nacional, contribuindo também para o desenvolvimento cultural e económico do país. Pela 6.ª vez consecutiva, a Vodafone foi o principal patrocinador, apoiando a música nacional no seu todo e em particular na categoria Vodafone Canção do Ano e no Momento Vodafone.

Lista Completa dos Vencedores dos PLAY – Prémios da Música Portuguesa 2024

VODAFONE CANÇÃO DO ANO – “Maria Joana” — Nuno Ribeiro, Calema, Mariza

MELHOR GRUPO – Calema

MELHOR ÁLBUM – “COR D’ÁGUA” — T-Rex

MELHOR ARTISTA FEMININA – Bárbara Bandeira

MELHOR ARTISTA MASCULINO – Slow J

MELHOR ÁLBUM FADO – “Terra que Vale o Céu” — Ricardo Ribeiro

ARTISTA REVELAÇÃO – LEO2745

MELHOR VIDEOCLIPE – “Estrada” — Pedro Mafama, realizado por André Caniços

MELHOR ÁLBUM JAZZ – “Chromosome” — Mário Costa

PRÉMIO LUSOFONIA – “Tá OK” — DENNIS, MC Kevin o Chris

MELHOR ÁLBUM DE MÚSICA CLÁSSICA E ERUDITA – “LAMENTOS” — António Pinho Vargas

PRÉMIO MÚSICA LIGEIRA E POPULAR – “Recomeçar” — Sons do Minho

PRÉMIO DA CRÍTICA – “Afro Fado” — Slow J

PRÉMIO CARREIRA – Maestro António Victorino D’Almeida

Yolo