fbpx

Um excerto de «Maria Picança»

Textos de todas as cores
Tools
Typography


Já eu tinha os dezoito anos feitos.

Não tinha ainda namoro certo pois os moços da terra não me inspiravam coisa nenhuma. Habituara-me a ver no cinema aqueles gigantescos loiros e até ali só me apareciam anões com olhos de zêtoninha preta, a cheirar a canzum.

Tinha sido um de Quelfes, atarracado, meio calhandro e sempre a falar de couves. Um da Fuzeta, mais atarracado que o outro, sem um pêlo no peito e gago.

Com o da Culatra ainda andei ali meia amorroada mas foi só até o ter visto em fato de banho. Fotocópia de um galgo.

E dei comigo a observar o homem dos meus sonhos que estava ali, na Igreja grande, na missa de Ano Novo.

Era alto, musculado, e quando virou o rosto e eu dei de caras com aquele par de olhos, até estremeci. Só nas revistas estrangeiras é que se viam olhos daquela cor azul. Azulão, azulinho, cor da ria Formosa em dia de calma. 

Saí da missa meia esparvoada mas não demorei muito a saber quem era.
- Então chegou o Zé Armando?
- Sei lá quem é o Zé Armando, mãezinha!
- O sobrinho do Banana, filho da Mari João e do francês!

Comecei a espetar as orelhas!

Então não foi esse rapaz que veio para comprar a horta do Ramos? Foi! - E é engenhêro! Formou-se em Lyon! O franciú morreu e deixou-lhes uma fortuna, a ele e à Mari João. Mas que idade já terá a Mari joão? Ora deve ser quase da idade do tê pai, talvez três ou quatro anos mais nova não sei.

Aí estava! Um homem mais velho que eu, en-ge-nhê-ro e riquíssimo. Ainda por cima loiro e com sangue es-tran-gê-ro.

- Vou lavar a cabeça mãezinha! À noite devíamos sair, apetece-me.

Saímos e lá estava ele à porta da Bijou, no meio dos outros moços. Parecia um príncipe num cardume de cães. Que garbo! Que figura!

Comecei a falar alto, tossi, puxei a saia pra cima do joelho, estricei as mangas da blusa. Moita! Como quem não quer nada perguntei à minha mãe - Então aquele parvalhão de olho de besugo é que vai comprar a horta do Ramos?

- É! E vai-se já embora amanhã, morreu-lhe um tio!

Durante umas semanas sonhei com ele e quando a memória já me começava a atalhar a saudade, toma! Aí estava ele na avenida nas festas do Carnaval.

Oh época maravilhosa! Corri a casa da Isabelinha do Maneta que era doida por máscaras e consegui a muito custo que os meus pais me deixassem ir nessa noite a um baile na Recreativa Progresso.

Mascarei-me de odalisca com uns restos de cetim roxo que tinham sobrado de uns paramentos para a Igreja. Levava os braços cheios de pulseiras e na cabeça uma lata de conserva, pintada com tinta dourada a imitar um toucado em ouro. Consegui que o meu avô lhe fizesse uns furos para entrelaçar o cabelo, onde depois cosi uns bocados de tule encarnado. Pintei os olhos à Cleópatra e pus uns brincos pendentes em cor de rosinha. Claro que para ninguém me conhecer tapei a cara com uma mascarilha e disse às outras, Código: Xerazade!

Quando cheguei no magote das moças ele ainda não tinha chegado. A parva da Eduarda vestiu-se de amazona para mostrar bem as curvas e a Isabelinha ia de Jane Tarzan com as tristes das caniças à vela.

Muito nervosa, andei ali aos pulos atrás das outras a atirar saquinhos de serradura e papelinhos e sempre com o olho na entrada.

Dali a um grande bocado chegou um grupo aí de umas seis mascarinhas.

Não foi difícil descobri-lo porque alto, forte e com aquele olho azul, azulão, só havia um e estava mascarado de Moura Cássima. Vinha todo envolto em panos brancos, com um véu opaco no rosto. Mal se lhe viam os olhos mas, a mim não me enganou.

Havia ainda outro de olho azul mas esse vinha de Sandokan, muito pindérico, com um fatinho de cetim amarelo muito justinho «naquilo».

Na, só podia ser o mais alto pois um todo entrapado de múmia tinha os olhos castanhitos e o outro era muito palonço e vinha de freira. Havia ainda um urso e um macaco mas eram demasiado baixinhos para serem Ele.
Ajeitei a lata no alto da cabeça, sacudi as pulseiras e com risinhos fui direito a ele e de longe atirei-lhe papelinhos. Ele fez-me sinal de pião com os dedos para irmos dançar. Era a moda e eu fui zunindo!
A Isabelinha Maneta atracou-se ao múmia e a Eduarda atirou o chalavar ao Sandokan.

As primeiras três músicas dancei-as em silêncio. Eu estava panca e muda e pelos vistos ele também pois quando lhe perguntei se me conhecia, só me respondia, Uhm! Uhm! Ai o que eu me ri pra dentro!

Mas com aqueles olhos azuis, azulinhos quem é que precisava de palavras?! Estive no céu o resto da noite. Às três da manhã ele já me apertava e às quatro andávamos de mãos dadas. Tinha mãos de seda, não era como os galapos rugosos dos rafeirões da terra.

Que fino, que jeitos! E exalava um perfume que me almareava toda! Aquilo sim, não era cá como os outros cancurros sempre a cheirar a bedum!

(Continua um dia…)

Jl
( em «Maria Picança» )

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

{sharethis}

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS