Porque todos os dias são bons para ser 19 de Julho

Solta-mente
Tools
Typography

Os nossos medos são um pouco o nosso instinto de sobrevivência a alertar-nos para o que não é percetível. Poucos de nós, seres humanos ocidentais, europeus, portugueses, vivos em pleno século XXI, conhecemos o breu completo e não damos o devido valor ao facto de andarmos na rua sem ser aos tropeções, ou chegar a casa e conseguir ver tudo ao redor com um mero aperto de botão.

No dia 19 de Julho de 1987 a população da Culatra uniu-se em torno de um direito que era já o da maior parte dos portugueses. O direito de assistir televisão sem ligar um gerador barulhento. O direito a não ser intoxicado pelo candeeiro a petróleo. O direito a não temer um incêndio causado por uma vela. O direito a ser considerado cidadão comum com os mesmos direitos que os outros cidadãos. O direito a ter eletricidade.

Em frente à Capela da Nossa Senhora dos Navegantes, respondendo ao rebate dos sinos, decidiram não votar, pois quem não tem direitos, não tem deveres.

Aprenderam que a união é mais do que uma palavra bonita. É verdadeira. Em Portugal a união não costuma ser muito comum, por restos de um medo antigo e sombrio, mas aos olhos dos mais incrédulos – fez-se luz. A comunidade da Culatra tem eletricidade porque não são cidadãos de segunda categoria e têm os mesmos direitos e deveres que os outros, seus iguais. Mais do que isso: têm direito a ter medo, direito à habitação, direito aos seus postos de trabalho, direito à emergência médica – enfim, direito a ser portugueses, cidadãos europeus, mesmo numa europa que se pensa elitista e que nos olha a todos por cima do ombro. Mesmo assim.

Vinte e oito anos volvidos, validos da mesma força reivindicativa em massa, com um sentimento de pertença para sempre ancorado a esta faixa de areia, sem desistir e sem ter medo de sonhar, chegaram às areias da comunidade o porto de abrigo, a água canalizada, a placa para o transporte de emergência médica – enfim, um rol de coisas essenciais, básicas, que qualquer comunidade humana necessita para sobreviver. O mínimo dos mínimos. Com a mesma força e sentido de justiça, há que manter a união para continuar a trilhar o bom caminho, caminho este que muitos criticam, mas que nunca fizeram, porque viveram sempre com tudo à mão, inclusivamente o botão anti-medo, ou seja, o da luz.

festa culatra_262

Vinte e oito anos depois os culatrenses continuam culatrenses, mas precisam de estatuto legal e administrativo. Não se podem deixar sugar vivos pelos monstros da infância. Devem permanecer unidos, porque todos os dias são bons para ser 19 de Julho.

Selma Nunes

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS