Viagens - ver e conhecer outros mundos e as temperaturas

Tempo de Crónicas
Tools
Typography

Ainda recentemente a familiar Sara Fonseca, que esteve por cá, passou por essa experiência.

Esta jovem Algarvia dos quatro costados que não dispensa mochila e máquina fotográfica, parece ter trazido o frio setentrional da Noruega, dos fiordes. País das auroras boreal, e com agricultura famosa pela sua produção de morangos, e a contar pela nossa hóspede, podemos dizer que são dum natural sabor e doçura de primeira.

No primeiro dia, a nossa visitante logo reparou nos basquetes do basquetebol nos driveway de casas. Nos autocarros de cor amarela a transportar os alunos das escolas - É como se vê nos filmes. No campus de colégio a temperatura esfriava-se - valeu-nos algum tempo dentro de pequenos museus apreciando artes. E pela história. Não se perde o fio à meada disse a Sara. Concordei eu. Por vezes diferente nas extensivas galerias, nos grandes museus, mas lá se conhecem outros mundos, com mais valores, estão expostas dimensões de outro apreço.

Ida há Newport, R.I. dos festivais, das mansões, e cheia de turistas na época alta, não agora, deu para ir a espaço de frente para o mar. Há anos o saudoso Pai deste escrito admirou nesse calmo dia o local com ambiente de história. Desta vez, o olhar pelo monumento, esculturas de homenagem aos navegadores portugueses foi apressado porque '' a tarde era realmente norueguesa '' o frio era de rachar, aumentado pelo vendaval. Menos do lado nascente da vila com praia ao fundo. O cheiro da maresia misturava-se com a gentileza dalguns passeantes.

No sábado, 4 de Março, desfile do verde irlandês foi de pouco tempo. Faltaram grupos e público. Para nós algarvios de gema, até calhou-nos bem para não aguentar por muito tempo a gelada temperatura que se fazia sentir, ainda por cima com forte ventania. De pouco ia-nos valendo o vestuário da época.

Após permanência com mais familiares, a Sara viajou para a capital americana - e do Big Apple da Estátua da Liberdade, regressou à segunda pátria, é assim que muitos emigrantes consideram o País aonde trabalham.

Não poderia finalizar esta crónica, sem fazer lembrar o Sol o calorzinho do nosso Algarve, que está-nos sempre na mente e que muita gente deveriam conhecer, é outro mundo andar por lá. Embora as temperaturas também estejam sujeitas a ter momentos menos bons, mas com seu clima mediterrâneo, é de saber que idos de qualquer lugar do mundo, notam a diferença, porque é do melhor.

Ireneu Vidal da Fonseca, Massachusetts, E.U.A.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS