Ivo Canelas leva público ao rubro no arranque da nova temporada do Cine-Teatro Louletano

Regionais
Tools
Typography

O Cine-Teatro Louletano nunca antes tinha proposto três sessões do mesmo espetáculo para a sua rentrée de temporada artística e desta vez fê-lo a 14 e 15 de setembro, registando uma entusiástica adesão de público (com sessões esgotadas), o qual não ficou indiferente a esta contagiante proposta teatral pela mão de Ivo Canelas, um dos mais prestigiados atores portugueses.

O palco maior louletano recebeu, assim, a primeira apresentação a sul do país – continuando deste modo a privilegiar uma programação eclética e ousada – do aclamado espetáculo “Todas as Coisas Maravilhosas”, da autoria do britânico Duncan Macmillan, o qual estreou no Fringe Festival em 2013 e já foi apresentado em diversos países. Em Portugal, a peça foi adaptada e interpretada por Ivo Canelas e, segundo o público, de forma “maravilhosa”, “deslumbrante” e “única”.

O espaço de cena era naturalmente o palco, mas o espaço do público também. Numa plateia disposta de forma concêntrica, os espetadores vivenciaram momentos muito intimistas com o próprio protagonista que lhes falou de temas sérios da vida, como o suicídio, a melancolia, as crises existenciais, a família e o amor, num registo que cruzou sensibilidade, lucidez, comoção e uma inegável tonalidade humorística.    

O enredo baseava-se na lista criada por uma criança de sete anos para que a sua mãe, assolada por uma depressão, valorizasse “as coisas maravilhosas” da vida. Gelados, guerras com água e poder ficar a ver televisão depois da hora de ir para a cama são alguns exemplos. Ivo Canelas deu o mote para que os espetadores criassem também eles as suas próprias listas de “coisas maravilhosas”. E o resultado foi surpreendente, havendo inclusive participação ativa de alguns elementos do público como personagens da própria peça (a psicóloga, a jovem esposa, o pai, o veterinário), num ambiente de grande interação e proximidade.

Ver a peça, assistir, participar nela e dela foi, desde logo, considerado uma coisa “maravilhosa” para alguns dos espetadores no final da peça. Outros referiram “um sorriso”, “coçar as costas” ou “o cheiro da terra molhada”. Mas “saltar de assunto em assunto sem que se chateiem comigo”, “acordar sem despertador” ou “ living in Portugal” são outros dos exemplos mencionados, registados em folhas próprias e que serão o testemunho deste ato criativo a expor no foyer do Cine-Teatro até outubro.

Destaca-se ainda, a título de curiosidade, que “rebolar na relva”, “dar mergulhos”, “ler um poema”, pensar que “a viagem é tão importante como o destino”, “acordar e estar levante no mar” ou “comer um prato de Cerelac com grumos” são coisas realmente maravilhosas para todos quantos assistiram ao monólogo de Ivo Canelas. As reações do público chegaram ao Cine-Teatro também através das redes sociais, sendo reveladoras do grande impacto que a peça teve, inclusive para muitos que não conheciam nem o texto nem o ator em causa: “Que bom assistir a teatro de qualidade e perceber que temos atores com tanto talento! Parabéns, Ivo Canelas. Foi simplesmente arrebatador e comovente. Uma coisa maravilhosa? A arte e a cultura são decerto das coisas mais maravilhosas!”. Outra das espetadoras registaria: “Ri, emocionei-me, refleti... foi um espetáculo completo”.

Para mais informações os interessados podem contactar o Cine-Teatro Louletano pelo telefone 289 414 604 (terça a sexta-feira, das 13h00 às 18h00) ou pelo email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Além disso, podem consultar a sua página de facebook – www.facebook.com/cineteatrolouletano ou o seu renovado website http://cineteatro.cm-loule.pt, ambos em permanente atualização, bem como a sua conta no instagram (cineteatrolouletano).

O Cine-Teatro Louletano é uma estrutura cultural no domínio das artes performativas da Câmara Municipal de Loulé e está integrado na Rede Azul – Rede de Teatros do Algarve e na Rede 5 Sentidos.

Fonte: GAP da CM LouléIvoCanelasLoule

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS