Cardiologistas alertam para a Importância de Tratar o Enfarte Agudo do Miocárdio

Consultório Médico
Tools
Typography

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) acaba de divulgar os dados referentes ao tratamento para o enfarte agudo do miocárdio, em Portugal, no ano de 2020, e alerta a população para a importância de não adiar o seu tratamento devido à pandemia Covid-19. No âmbito do Dia Nacional do Doente Coronário, que se assinala a 14 de fevereiro, a associação vem lembrar que a via verde coronária e os laboratórios de hemodinâmica continuam a trabalhar a 100 por cento e que os doentes não devem ter medo de pedir ajuda.

Segundo dados do Registo Nacional de Cardiologia de Intervenção (RNCI), em 2020 foram realizadas 3817 angioplastias primárias para o tratamento de enfarte agudo do miocárdio, um aumento de 2,5 por cento, face ao ano anterior. 77 por cento dos doentes tratados foram homens e a média de idades situou-se nos 66 anos.

“Apesar de os dados do RNCI terem demonstrado uma redução do número angioplastias primárias, procedimento para tratamento do enfarte, durante a primeira vaga da pandemia, conseguimos recuperar os números, no decorrer de 2020. No entanto, é preciso alertar a população que não devem ter medo de pedir ajuda, devido à Covid-19. Quando não tratado, o enfarte agudo do miocárdio pode trazer consequências graves para a saúde ou ser, até, fatal. É importante não adiar o tratamento”, alerta João Brum Silveira, presidente da APIC.

E continua: “A via verde coronária e os laboratórios de hemodinâmica, onde se efetua o tratamento do enfarte agudo do miocárdio, são seguros, livres de Covid-19, e continuam a  funcionar a 100 por cento, 24 horas por dia, sete dias por semana. Não ignore os sintomas, ligue 112. Por outro lado, os doentes não urgentes devem continuar a fazer a medicação prescrita pelo médico assistente, a ir às consultas e a realizar os exames marcados.”

Com o objetivo de promover o conhecimento e a compreensão sobre o enfarte agudo do miocárdio e os seus sintomas; e alertar para a importância do diagnóstico atempado e tratamento precoce, a APIC desenvolveu e tem a decorrer a campanha de consciencialização “Cada Segundo Conta”, com o apoio do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da iniciativa Stent Save a Life, da APIC.

“Apesar da maioria das pessoas já identificarem quais são os sintomas do enfarte agudo do miocárdio, muitas vezes não atuam com a rapidez necessária. É importante que o tratamento ocorra o mais rapidamente possível, após o início dos sintomas, reduzindo, assim, o risco de mortalidade, a reincidência de enfarte e complicações associadas”, salienta Pedro Farto e Abreu, coordenador nacional da campanha. E sublinha: “Mesmo em tempo de pandemia, não adie o seu tratamento. Ligue rapidamente 112.”

Os dados do Registo Nacional de Cardiologia de Intervenção para a intervenção coronária, durante a primeira vaga da pandemia COVID-19, vão ser publicados num artigo, recentemente, submetido para publicação na Revista Portuguesa de Cardiologia. Novos estudos sobre a segunda e terceira vagas serão também publicados pela APIC no decorrer de 2021.

O enfarte agudo do miocárdio ocorre quando uma das artérias do coração fica obstruída, o que faz com que uma parte do músculo cardíaco fique em sofrimento por falta de oxigénio e nutrientes.

Dor no peito, suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade são sintomas de alarme para o enfarte agudo do miocárdio. Não ignore estes sintomas. Ligue rapidamente 112 e siga as instruções que lhe forem dadas.

Para evitar um enfarte é importante adotar um estilo de vida saudável: não fumar; reduzir o colesterol; controlar a tensão arterial e a diabetes; fazer uma alimentação saudável; praticar exercício físico; vigiar o peso e evitar o stress. Para mais informações consulte: www.cadasegundoconta.pt

Sobre a APIC

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular, uma entidade sem fins lucrativos, tem por finalidade o estudo, investigação e promoção de atividades científicas no âmbito dos aspetos médicos, cirúrgicos, tecnológicos e organizacionais da Intervenção Cardiovascular. Para mais informações consulte www.apic.pt.

MiligramaEnfarteMiocardio

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS