fbpx

Preservação da fertilidade: vitrificação de ovócitos ou criopreservação do tecido ovárico?

Consultório Médico
Tools
Typography

33th European Society of Human Reproduction and Embryology (ESHRE) 2017 Annual Meeting

Preservação da fertilidade: vitrificação de ovócitos ou criopreservação do tecido ovárico?

  • Um estudo revela resultados semelhantes na preservação da fertilidade realizada, indistintamente, mediante a vitrificação de ovócitos ou a criopreservação do tecido ovárico
  • Um estudo, orientado pelo IVI e pelo Hospital La Fe Valencia, remonta a 2012, quando ambas as instituições estabeleceram um fluxo de pacientes comuns para ambos os tratamentos
  • Os resultados sugerem ambas as opções como válidas pela sua efetividade e mostram que é indispensável individualizar os casos em função das necessidades de cada paciente

GENEBRA, julho de 2017

O IVI foi um dos pioneiros a nível mundial em vitrificação de ovócitos para a preservação da fertilidade, técnica que realiza desde 2007. Além disso, em 2012, estabeleceu um fluxo comum de pacientes com o Hospital de La Fe de Valencia, graças ao qual ambas as instituições preservam, desde então, a fertilidade dos seus pacientes, também mediante a criopreservação do tecido ovárico.

Um estudo recente, orientado pelo IVI e pelo Hospital de la Fe de Valencia, com uma amostra de 1759 pacientes (1024 efetuaram vitrificação de ovócitos e 735 criopreservação do tecido ovárico) revela que não existem diferenças significativas em relação a taxa de recém-nascidos, quer dizer, que ambas as técnicas são efetivas. Do total de pacientes que tinham preservado a sua fertilidade, foram analisados os que tinha utilizado o seu material vitrificado para tentar engravidar.

Neste estudo, cujos resultados foram apresentados hoje em Genebra, no âmbito da 33ª edição do congresso ESHRE, comparam-se os resultados das pacientes que tinham vitrificado os seus ovócitos com as que se submeteram a um transplante do tecido ovárico. A conclusão é que não existem diferenças significativas na taxa de recém-nascidos entre ambos os tratamentos.

Segundo o Dr. César Díaz, ginecologista do IVI Valencia e um dos principais responsáveis pelo estudo, “é muito importante indicar bem as técnicas a cada paciente, uma vez que nem todos podem beneficiar das mesmas técnicas”.

Longe de existir uma solução mágica, o objetivo do IVI e do Hospital é oferecer todas as ferramentas e técnicas possíveis aos seus pacientes, para assim poder individualizar e adaptar cada tratamento em função das suas necessidades.

Neste sentido, o Dr. Díaz reforça que “se há tempo suficiente antes de começar a quimioterapia, se a paciente tem uma reserva ovárica aceitável, e se já começou a puberdade, provavelmente o mais aconselhável é realizar uma vitrificação de ovócitos, dado que, em iguais condições, dado que, em iguais condições no que se refere a taxa de recém-nascidos, esta técnica é menos agressiva”.

A criopreservação do tecido ovárico, estaria recomendado para pacientes pré-puberdade, que ainda não menstruaram, e nas quais é complicado a estimulação e por tanto a recuperação de ovócitos. Também em pacientes com tumores muito agressivos, como o linfoma de Burkitt, em que se carece de tempo suficiente para estimular o ovário antes de começar a quimioterapia.

A investigação, um dos pilares básicos do IVI, permite, com estudos como este, colocar à disposição de todos os pacientes, as melhores técnicas e o maior leque de opções possível para tornar real o desejo de ser mãe.

Vitrificação de ovócitos

A vitrificação de ovócitos consiste em estimular o ovário com hormonas semelhantes às produzidas pela paciente, para depois conseguir extrair os óvulos do ovário mediante uma agulha muito fina, num procedimento que requer uma sedação mínima. Posteriormente, os óvulos são conservados mediante um esfriamento ultrarrápido, que evita a formação de cristais de gelo, protegendo assim os óvulos por tempo indeterminado (décadas se for necessário). É o mesmo método que se utiliza para preservar óvulos em pacientes que queiram adiar a maternidade por motivos profissionais ou pessoais. Quando a paciente estiver curada do temor, poderá utilizar estes óvulos e fecunda-los com o sémen do seu companheiro ou de dador e assim gerar um embrião que será posteriormente transferido para o útero materno da paciente.

Criopreservação do tecido ovárico

Consiste em extrair um fragmento da superfície do ovário mediante uma cirurgia minimamente invasiva (laparoscopia). O procedimento dura vinte minutos aproximadamente, podendo a paciente regressar a casa e inclusivamente começar a quimioterapia umas horas depois da mesma. Se a paciente apresentar falência ovárica, o dito tecido pode voltar a reimplantar-se numa nova intervenção, recuperando de novo a sua funcionalidade, tanto do ponto de vista da fertilidade como desde o ponto de vista da produção de hormonas (reverteria a menopausa que ocorre frequentemente depois dos tratamentos oncológicos). Igualmente permite a gestação espontânea, sem necessidade de recorrer a técnicas de Fertilização in vitro.

Sobre IVI - RMANJ

O IVI nasceu em 1990 como a primeira instituição médica em Espanha especializada em reprodução humana. Desde então ajudou a nascer mais de 160.000 crianças, graças à aplicação das últimas tecnologias em procriação medicamente assistida. No início de 2017, ocorre a fusão entre o IVI e a RMANJ, e o grupo converte-se no maior em Medicina Reprodutiva do mundo. Atualmente conta com mais de 70 clínicas em todo o mundo e é líder em medicina reprodutiva. https://ivi.pt/ - http://www.rmanj.com/Dr Cesar DiazFonte: IVI

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS