O Vinho! Benefício ou malefício?

Saborear com Peso e Medida
Tools
Typography

vinhoO vinho imprimiu um carácter marcante nas civilizações e nos povos que souberam elaborá-lo e apreciá-lo. O homem pré-histórico sabia com toda certeza como elaborar vinho e, os paleontólogos encontraram fósseis que parecem vestígio de azeitonas e uvas prensadas. Os escritos mais antigos, incluindo as tábuas de argila cuneiforme da Babilónia, e os papiros do antigo Egipto, contêm numerosas referências ao fruto fermentado da videira. A civilização cristã transmitiu o conceito simbólico da criação do vinho por Noé. Pensa-se que a descoberta das bebidas alcoólicas se tenha dado por acaso, graças à fermentação espontânea de um produto açucarado, talvez o mel, sob a influência de leveduras do ar. Tendo gostado da experiencia, ou porque foi sensível aos efeitos do álcool, o Homem foi descobrindo e aperfeiçoando diversas maneiras de produzir bebidas alcoólicas. Em praticamente todas as civilizações antigas, estas bebidas, nomeadamente o vinho, assumiam grande valor simbólico. Eram associadas a deuses e desempenhavam papel de relevo em cerimónias religiosas bem como actividades festivas.

Até o século XIX, a maioria dos vinhos que se consumiam eram sempre do ano devido às dificuldades de conservação. Com Pasteur pode-se dizer que nasceu a moderna Enologia, que é de certo modo a medicina do vinho.

O consumo moderado de vinho foi uma característica dos países da costa do Mediterrâneo. Este está incluído na conhecida trilogia, ao lado do azeite e do pão. Estava presente na mesa do rico puro e como néctar dos deuses, na mesa do pobre, diluído em água e considerado um derradeiro tesouro apenas para dias festivos.

Actualmente o vinho é conhecido em todo o mundo e usado tanto na mesa do pobre como na do rico. Para além disso, é muitas vezes utilizado na culinária, em marinadas e temperos, principalmente o vinho branco.

O vinho e a saúde…

O vinho tem na sua composição, para além do próprio álcool, polifenóis, sais minerais, oligoelementos e fibras, pelo que exerce um efeito tonificante e relaxante e estimula a circulação sanguínea, o coração e o estômago.

Este é sem dúvidas, entre todas as bebidas, a mais favorável à saúde, no entanto, considerando o teor de álcool que contém, deve ser ingerido com moderação e de preferência junto às refeições. O vinho, seguindo as anteriores recomendações e bebido por quem não tenha qualquer contra-indicação ao uso de bebidas alcoólicas, agrega ao prazer de beber benefícios para a saúde.


Ainda que seja difícil recomendar o consumo de álcool, conhecendo os efeitos prejudiciais do mesmo quando consumido em quantidades excessivas, existem numerosos estudos que relacionam o consumo moderado de álcool (principalmente vinho tinto) com as doenças coronárias, com a demência, e com os altos níveis de glicose no sangue depois das refeições.

O vinho só tem capacidade terapêutica quando administrado na dose certa. Qualquer quantidade a mais vai torná-lo prejudicial tendo em vista ser alcoólico.
O álcool em excesso prejudica o organismo, roubando elementos nutritivos a serem absorvidos, além de promover sua dependência cujos danos são desastrosos, tanto psicologicamente, quanto socialmente.

Este pode ser considerado um alimento funcional. Um alimento funcional é aquele que possui substâncias boas ao organismo podendo evitar doenças.

Da uva associada ao álcool decorrente da fermentação do mosto, tem-se então o sagrado vinho. Classicamente, o vinho é definido como uma bebida resultante da fermentação alcoólica do mosto (suco) de uva, contendo geralmente de 10 a 15 % de álcool, podendo alcançar até cerca de 20% no caso dos chamados vinhos fortificados (vinho do Porto, Jerez e outros).

As suas propriedades medicinais são hoje reconhecidas inclusive por cardiologistas, que têm recomendado a bebida com frequência, principalmente para as pessoas com idade acima da faixa etária de 30 anos quando o risco de doenças cardiovasculares aumenta. O vinho pode ser responsável pela elevação do colesterol HDL no sangue, o que na linguagem popular significa o "bom colesterol", além de diminuir a agregação das plaquetas nas paredes internas dos vasos sanguíneos, associados aos dois efeitos do produto o resultado será sempre benéfico à protecção do aparelho cardiovascular. "Está provado que ao ser consumido moderadamente, o vinho diminui os riscos de doenças coronárias (infartos), além de prevenir a acção de tromboses, derrames e acidentes vasculares cerebrais isquêmicos".

OUTRAS ORIENTAÇÕES IMPORTANTES:

•    A quantidade de vinho que cada pessoa pode beber depende da tolerância de cada um. O organismo de cada pessoa individualmente é que “mede” a capacidade dessa para a quantidade de álcool que pode ingerir sem lhe causar danos. Pessoas que, por exemplo, já apresentam algum tipo de doença ou mesmo uma propensão familiar a determinado distúrbio, devem ter especial cuidado com a ingestão e quantidades que ingere de vinho.

•    O vinho deve ser tomado sempre com as refeições porque os alimentos diminuem a absorção do álcool pelo organismo e evita-se também a hiperglicemia (níveis demasiado elevados de açúcar no sangue) e principalmente a hipoglicemia (níveis demasiado baixos de açúcar no sangue).

•    Entre o vinho tinto e o branco, deve preferir-se sempre o tinto porque apresenta efeitos benéficos para a saúde cardiovascular. Apesar do vinho branco também ter alguns fins terapêuticos os estudos apontam que no tinto os benefícios são mais evidentes, porque algumas das substâncias associadas a esses fins terapêuticos encontram-se na casca da uva preta e não na branca.

•    Nem todo o tipo de vinho tem a mesma concentração de nutrientes que fazem bem à saúde. É necessário ser um vinho tinto de “qualidade”, tomado diariamente e em doses moderadas.

•    A ingestão abusiva de álcool tem consequências danosas no organismo.
o    Aumenta a produção de glicose, colesterol e trigliceridos pelo fígado.

•    É necessário ter em atenção que a quantidade de álcool que o vinho fornece bastantes calorias, as chamadas calorias vazias porque não fornece nutrientes ao organismo mas somente energia, que em quantidades exageradas contribuem para o aumento de peso e acumulação de gordura corporal.

•    A quantidade de vinho diária que está estabelecida como benéfica para a saúde é de um copo de vinho tinto às refeições para as mulheres e dois copos para os homens.

AnaAna Catarino
Dietista Estagiária

{sharethis}