SPAVC | 15.º Congresso Português do AVC volta a organizar Curso para Médicos

O 15.º Congresso Nacional do AVC está à porta – decorre de 4 a 6 de fevereiro – e, mais uma vez, a organização do evento contempla a realização do “Curso Interativo de AVC isquémico na fase aguda” que decorrerá a 3 de fevereiro, das 14h30 às 19h, em modelo virtual, tal como o Congresso. Os interessados podem obter mais informações sobre as inscrições em www.spavc.org/actividades/cursos.

Esta formação já é um clássico do congresso, sempre com elevada procura por parte de especialistas e internos, como reconhecem os dois coordenadores do curso – o Dr. Miguel Rodrigues e a Dra. Liliana Pereira, ambos neurologistas do Hospital Garcia de Orta. “Existe um grande número de clínicos com envolvimento direto nos cuidados agudos aos doentes com suspeita de AVC que sentimos a necessidade de formar de acordo com as mais recentes recomendações nesta área”, explica o médico, acrescentando que “este tipo de formação é também benéfico para todos os internos, cativando-os para a área da doença vascular cerebral”.

Os objetivos da organização passam pela formação contínua de excelência na área do AVC, capacitando os formandos com ferramentas para a colheita da história clínica de um doente com suspeita de AVC e para a realização da entrevista com o doente, familiares ou cuidadores.

O curso vai também abordar que exames complementares de diagnóstico são imprescindíveis no atendimento a doente com suspeita de AVC agudo, bem como as alterações mais frequentemente identificadas nesses mesmos exames.

As indicações e contraindicações para a realização de trombólise e tratamento endovascular, assim como a seleção de doentes para cada uma destas terapêuticas segundo as mais recentes recomendações científicas são, igualmente, matérias desta tarde formativa, durante a qual haverá ainda espaço para descrever os principais mimetizadores do AVC agudo e as formas como se pode identificar e orientar esse quadro clínico.

A inovar esta primeira edição virtual, os temas supramencionados estão divididos no programa do curso em quatro estações [Estação 1. Abordagem inicial do doente com suspeita de AVC agudo; Estação 2. Interpretação dos exames imagiológicos; Estação 3. Decisão terapêutica: trombólise e tratamento endovascular; Estação 4. Identificação e orientação de mimetizadores], com formadores diferentes e com a duração aproximada de 45 minutos. Os participantes serão divididos por dois grupos, cada um com um máximo de 30 elementos, que rodarão pelas estações alternadamente.

Nas palavras da Dra. Liliana Pereira, esta organização por “estações” pretende “garantir uma interação mais direta com os formadores em temas específicos, em que o formando possa chegar ao final do curso sem dúvidas”, embora reconheça: “Estamos cientes que o modelo virtual é menos cativante para a audiência, pelo que esperamos que o equilíbrio entre sessões teóricas e sessões interativas permita manter o foco no conteúdo do curso e ser proveitoso”.

Ainda assim, mesmo com as contingências ditadas pela pandemia pelo novo coronavírus no terreno, “aceitámos o desafio de adaptar o curso ao modelo virtual para manter ativa esta vertente formativa do Congresso do AVC, que esperamos seja uma mais-valia na formação pós-graduada dos nossos colegas”, remata a neurologista. O Curso conta com o apoio da Medtronic.

Sobre o 15.º Congresso Português do AVC

O 15.º Congresso Português do AVC irá decorrer entre os dias 4 e 6 de fevereiro e, pela primeira vez, decorrerá em formato totalmente virtual. Contudo, as circunstâncias ditadas pela pandemia causada pelo novo coronavírus não vão alterar o formato que tem feito deste evento dedicado ao AVC um sucesso entre médicos, enfermeiros e outros profissionais de Saúde. Assim, “também nesta edição digital todo o programa científico decorrerá numa única sala de transmissão através de plataforma própria para o Congresso, com a virtualização de cenários e transmissão em tempo real de todo o congresso”, lê-se na mensagem de boas vindas do Prof. Doutor Castro Lopes, presidente do congresso. 

Este formato permitirá ainda a visualização de conteúdos on demand, após o evento.

Podem ser consultadas todas as informações sobre o congresso na página www.spavc.org/pt/actividades/15-congresso-portugues-do-avc.

SPAVC

Rnters doa 30 mil euros aos Bombeiros Voluntários Portugueses

  • A startup portuguesa, responsável pela iniciativa Pinheiro Bombeiro, angariou 30.900€ pelo aluguer de 5.900 árvores de Natal.
  • Apesar do contexto social atípico vivido nesta quadra, as famílias portuguesas aderiram em força à iniciativa Pinheiro Bombeiro para doação recorde.
  • Ao longo de 4 edições, a Rnters arrecadou 96.400€ que se destinam à compra de equipamento profissional para os Bombeiros Voluntários Portugueses

A Rnters, startup portuguesa que se apresenta como o "airbnb de todos os produtos", e responsável pela iniciativa Pinheiro Bombeiro, angariou neste Natal cerca de 30.900€ para doar aos Bombeiros Voluntários Portugueses, uma verba significativa que terá impacto a nível nacional e que lhes permitirá adquirir novos equipamentos profissionais. Nesta 4ª edição da iniciativa de cariz solidário foram alugados à Rnters 5.900 pinheiros, mais 2.000 árvores face à última edição, que culminou na maior doação de todas as edições do Pinheiro Bombeiro.

À semelhança do que decorreu nas últimas edições, a Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários Portugueses indicará à Rnters quais os corpos de Bombeiros mais necessitados para que a empresa possa adquirir este equipamento com a verba angariada. No total, desde a primeira edição da iniciativa, foram já angariados cerca de 96.400€ para apoiar os Bombeiros Voluntários.

Com a iniciativa Pinheiro Bombeiro, a Rnters deu a possibilidade de alugar pinheiros que tiveram de ser cortados na limpeza de matas e na prevenção de incêndios, tendo assim uma segunda vida em decorações natalícias. No final de cada aluguer, os pinheiros são transformados em biomassa, finalizando o seu propósito de forma sustentável.

Para Guilherme Guerra, CEO da Rnters, "esta 4ª edição do Pinheiro Bombeiro superou todas as nossas expectativas. Sentimos que os portugueses estão cada vez mais comprometidos com a sustentabilidade e solidariedade. Num ano tão difícil como o que passou, em que a ajuda dos Bombeiros foi preciosa, não só no combate aos incêndios florestais mas também no combate à pandemia, notámos que houve uma grande adesão à nossa causa e vontade de contribuir. Em 2020 a iniciativa ganhou ainda maior dimensão devido ao apoio fundamental dos nossos parceiros GALP, Grupo Lizauto e EDP, que nos permitiram levar os nossos Pinheiros a mais pontos do país"

A iniciativa solidária Pinheiro Bombeiro está alinhada com a missão da Rnters que, mantendo o mote do aluguer, ambiciona ter um impacto significativo nas comunidades onde opera, evitando o desperdício e promovendo um consumo colaborativo. De bicicletas a livros, de câmeras fotográficas a pinheiros, é possível alugar tudo através da start-up portuguesa.

Sobre a Rnters

A Rnters é uma startup portuguesa que permite o aluguer de qualquer tipo de artigos. Focados em evitar o consumo desnecessário e promovendo a economia circular, através desta plataforma é possível rentabilizar os artigos que não usa no seu dia-a-dia ou alugar artigos por uma fracção do preço do valor da compra. A missão é tornar o aluguer mais viável, oferecendo uma solução rentável, prática e amiga do ambiente para a utilização de qualquer produto. www.rnters.pt

MPR

Silves | Município e Entidades de Saúde Aliados no Combate à Covid-19

Por forma a poderem ser criadas as condições de testagem rápida de um elevado número de pessoas, sempre que tal se verifique necessário, e com o intuito de antever cenários e proceder ao desenvolvimento precoce de ações que permitam mitigar a doença COVID-19 no concelho, o Município de Silves, em articulação com a Delegada de Saúde e demais entidades envolvidas, tem mantido e adotado medidas proativas.

Neste contexto, importa referir que a autarquia, no âmbito da Subcomissão de Proteção Civil para acompanhamento exclusivo da COVID-19 no concelho, tem dinamizado e implementado uma série de ações, sendo seu objetivo central atuar desde a primeira hora, através da prestação de apoio logístico e da criação de condições adequadas à testagem de um elevado número de pessoas, sempre que se justifique. Para além deste apoio de pré-testagem, o Município de Silves prossegue com o apoio e acompanhamento das pessoas que testem positivo.

A disponibilização de apoio social e psicológico, a manutenção do transporte municipal de apoio à comunidade, o apoio à criação do centro de triagem à COVID-19, assim como a disponibilização da FISSUL para instalação do Centro de Testes e a ativação do Fundo de Emergência Social são outras das ações já implementadas pela autarquia.

O caso concreto da testagem de cerca de 250 alunos, ocorrida no passado dia 16 de janeiro, na Escola E.B.2 3 Dr. António da Costa Contreiras, em Armação de Pêra, foi mais uma destas medidas, de onde resultou a identificação de cinco alunos com resultados positivos e dois alunos com resultados inconclusivos.

GRP do Mun Silves

Loulé | Município Valoriza Antas e Escrita do Sudoeste do Ameixial

As antas e os sítios arqueológicos da freguesia do Ameixial, no concelho de Loulé, estão a ser alvo de trabalhos de valorização promovidos pelo Município de Loulé. Este projeto, que já se encontra a decorrer, pretende reforçar a singularidade da Serra e do interior do Algarve, e encontra-se integrado na estratégia da Autarquia para a valorização e divulgação dos recursos culturais deste concelho, através do seu património cultural. 

Este projeto abrange a Anta do Beringel e a Anta da Pedra do Alagar, monumentos megalíticos pré-históricos com cerca de 7000 anos, bem como os sítios arqueológicos onde foram encontrados alguns exemplares das estelas com escrita do Sudoeste datadas da Idade do Ferro, com cerca de 2500 anos. Entre outros aspetos, pretende-se investigar os monumentos e as estruturas ali existentes, conhecer a história desses sítios, mas também compreender o modo de vida das populações antigas que aqui viveram e com quem tinham contactos culturais e comerciais. 

O projeto distingue-se ainda por ter uma estratégia integrada entre o conhecimento científico dos monumentos e sua a classificação. Assim, as escavações arqueológicas, fundamentais para o conhecimento científico destes sítios, vão igualmente permitir identificar as ações necessárias à conservação e restauro dos monumentos que, por sua vez, irão garantir condições de proteção e segurança dos próprios monumentos e de quem os visita. As soluções técnicas resultantes dos estudos arqueológicos e de conservação serão deste modo o alicerce para um arranjo paisagístico que se pretende minimalista e integrado na paisagem natural da Serra. Desta forma, para além de se salvaguardar o sítio arqueológico, a sua valorização irá contemplar conteúdos para a visita do público em geral numa linguagem acessível, mas também o reforço da sinalética na rede rodoviária facilitando assim o acesso ao local. Por último, para além da sua divulgação em eventos com o envolvimento da comunidade local e da integração no projeto Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira, a Autarquia encontra-se a diligenciar o processo de classificação dos sítios que vão ser alvo de valorização. 

A Câmara Municipal de Loulé pretende, com este trabalho, promover não só a identidade dos lugares através da valorização destes monumentos do Ameixial, mas também diversificar e potenciar a atratividade do interior do Algarve em termos turísticos, criar condições para a sua visitação, estimular o conhecimento do passado e a visita ao território serrano, e contribuir para a dinamização da economia e atratividade deste território. O projeto de valorização da escrita do Sudoeste e das antas do Ameixial conta com fundos comunitários do Plano de Ação de Desenvolvimento de Recursos Endógenos (PADRE), integrado no Programa Operacional Regional do Algarve (PO CRESC ALGARVE 2020), cuja entidade promotora é a Associação de Municípios do Algarve (AMAL).

GAP da CM Loulé

CREPC-Algarve | Aviso à População - Precipitação, Neve, Vento e Agitação Marítima

1. SITUAÇÃO

De acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para as próximas 48 horas, destaca-se a previsão de condições meteorológicas adversas, realçando-se os seguintes aspetos:

  • Corrente de oeste com períodos de precipitação, por vezes forte, podendo ser acompanhada de trovoada amanhã. Persistência durante os próximos dias nas regiões montanhosas do Norte e Centro, em especial junto ao litoral;
  • Intensificação do vento com rajadas até 95 km/h no litoral oeste e até 110 km/h nas terras altas (Norte e Centro). Próxima noite com o vento mais intenso;
  • Aumento da agitação marítima a partir da próxima noite;
  • Possibilidade de queda de neve acima de 1600 metros que, nos distritos da Guarda e de Castelo Branco, poderá acumular até 5 cm.

Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt

2. EFEITOS EXPECTÁVEIS

Face à situação meteorológica prevista poderão ocorrer os seguintes efeitos:

  • Piso rodoviário escorregadio por eventual acumulação de gelo, neve e formação de lençóis de água;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de praia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento forte, bem como de afetação de infraestruturas associadas às redes de comunicações e energia;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Aumento do desconforto térmico na população em especial pela conjugação da temperatura mínima baixa e do vento intenso.

3. MEDIDAS PREVENTIVAS

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações, nomeadamente:

- Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;

- Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água e gelo nas vias;

- Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;

- Evitar a circulação em vias afetadas pela acumulação de neve e quando isso não for possível, adotar as seguintes medidas:           

  • Verificação do estado dos pneus e respetivas pressões;
  • Transporte e colocação das correntes de neve nos veículos;
  • Assegurar o abastecimento de combustível em níveis que permitam percorrer trajetos alternativos ou a permanência do veículo em funcionamento por longos períodos de tempo, em caso de retenção nas vias afetadas;
  • Garantir que os sistemas de aquecimento dos veículos se encontram em bom estado de funcionamento;
  • Providenciar alimentos adequados em quantidade e características, assim como medicamentos, de acordo com o número e tipologia de ocupantes dos veículos

- Nas vias afetadas pela acumulação de neve, são desaconselhadas viagens com crianças, idosos ou pessoas com necessidades especiais; 

- Evitar circular naquelas vias com veículos pesados, em particular articulados, veículos com reboque e veículos de tração traseira;

- Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;

- Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atenta para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em virtude de vento mais forte;

- Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a inundações rápidas;

- Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

TODOS SOMOS PROTEÇÃO CIVIL!

CREPC Algarve