ICNF | Semana Nacional do Combate à Desertificação e Seca terminou no Algarve

0
250
ICNF-Desertificação-Seca-1

Com arranque em Gouveia, no passado dia 16, a Semana Nacional do Combate à Desertificação e Seca terminou a 22 de junho no CEAM (Centro de Educação Ambiental de Marim), em Olhão.

Tendo sido organizado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas Algarve (ICNF), com o apoio do Município de Alcoutim, na direção do CCDesert (Centro de Competências na Luta Contra a Desertificação), o evento contou com a presença de diversas entidades regionais: do ICNF – António Miranda (Diretor Regional adjunto); do Município de Alcoutim – Osvaldo Gonçalves (Presidente da Câmara) e Alice Teixeira (técnica do município); do Município de Olhão – Ricardo Calé (Vice-Presidente da Câmara); da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve – José Pacheco (Vice-Presidente Regional); da Agência Portuguesa do Ambiente – Carlos Martins (chefe de Divisão do Planeamento e Informação da ARH); e da Direção Regional de Agricultura e Pescas – Mário Dias (Diretor Regional Adjunto).

Nas suas intervenções todos reconheceram o quão importante é “Reforçar o Papel das Mulheres na Gestão Sustentável do Território” (repto das Nações Unidas para 2023) e exigiu-se mais contributos dos agentes do território, no delineamento dos programas de intervenção regional.

Este ano, em que a sociedade é convocada a colaborar com a situação de seca da região, reforçou-se a comunicação com a curta-metragem “Sortes”, da realizadora Mónica Nunes – premiado em 2022 nos Prémios Nacionais de Cinema na Alemanha. Cumprindo o propósito, as cenas de paisagem e vidências de um meio rural despovoado, suscitaram emoções e reações.

No enceramento, as palavras de Osvaldo Gonçalves foram o reflexo da perceção de um vasto território, que ainda não suscita o necessário interesse. Razão pela qual “não se revê num evento comemorativo do Dia Mundial do combate à desertificação e seca”.

É necessário passar dos estudos à prática e resolver problemas, nomeadamente no acesso a condições de vida digna, para quem luta contra estes fenómenos.

DRCNF Algarve