Rubricas

magda_folgadoCom Magda Folgado...

magda_folgadoCom Magda Folgado...

magda_folgadoCom Magda Folgado...

monica_pinhoCom Mónica Pinho...

 


 

 

 

monica_pinho

monica_pinhoCom Mónica Pinho...

A DECO INFORMA… Para quem desconhece, o MB Way é uma aplicação móvel criada pela SIBS que permite realizar várias operações bancárias no smartphone, tais como transferências instantâneas e sem ser preciso o NIB do destinatário, levantar dinheiro sem recorrer ao cartão ou pagar compras com o telemóvel.

Até aqui este serviço tem sido gratuito, porém, a maioria dos bancos já anunciaram que pretendem penalizar pequenos montantes transferidos por aquela via. E são três as instituições que vão cobrar acima de €1: Activo Bank,Millenium BCP e Banco BPI.

A DECO considera preocupantes os aumentos das comissões sobre estas transferências, pois recaem sobretudo sobre montantes reduzidos, como a mesada do filho, o jantar dividido pelos amigos ou um pequeno valor para desenrascar um familiar: 63% destas têm um valor máximo de €50 e 27% não ultrapassa os €10. No caso do Activo Bank, por exemplo, será injustificável o consumidor ter de suportar mais de 15% do valor transferido, considerando a comissão de €1,56 e um montante de €10.

Esta parece ser mais uma forma de os bancos contornarem a proibição legal de 2010 que os impede de cobrar pelas transferências feitas através do multibanco. Não é nova a atitude da banca de “viciar” os clientes em serviços gratuitos para mais tarde passar a cobrar comissões sem critério ou justificação sobre os valores exigidos. E fá-lo sem considerar que a crescente informatização dos serviços implica poupanças para os seus cofres.

Além disso, este agravamento contraria o princípio básico do serviço, já que na sua campanha de lançamento destacava-se como principal vantagem a facilidade de transferir pequenos montantes de forma instantânea e cómoda.

Por enquanto, os bancos não estão a cobrar pelas transferências, mas com o custo previsto no preçário a qualquer momento poderão fazê-lo.

Se o seu banco começar a cobrar estas comissões, lembre-se de que há opções gratuitas para transferir dinheiro, nomeadamente através do multibanco ou do homebanking.

Fonte: GPI DECO-AlgarveMBWay

A DECO INFORMA… Uma associada fez uma simulação no site Google Trader e foi, de imediato, contactada por telefone para fazer um investimento de 250 euros em opções binárias.

Questionou-nos se esta empresa estaria relacionada com a multinacional líder em motores de busca e se seria séria naquilo que anunciava, ou seja, um investimento seguro em opções binárias.

O Google Trader que, entretanto, já desapareceu, nada tinha que ver com o motor de busca Google. Além disso, o investimento em opções binárias é arriscado e propício a fraudes. As opções binárias são uma forma de investimento que aposta na tendência de queda ou de alta de um ativo (uma ação de uma empresa, ouro, petróleo ou uma divisa) num curto período de tempo, por exemplo, 30 segundos ou meia hora. 

Aliás, a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e Mercados (ESMA) proibiu a venda de opções binárias a investidores não-profissionais e, em Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) prepara-se para tornar permanente esta proibição. Portanto, este contacto comercial agressivo é ilegal.

Qualquer proposta de investimento que prometa rendimentos acima do normal, e garantidos, deve ser logo recebida com desconfiança. Sobretudo quando se tratam de investimentos de risco elevado como opções binárias, forex ou criptomoedas. 

No que se refere ao Google Trader, os promotores desta burla tiveram a ousadia de relacionar o seu pretenso “software” de opções binárias à Google para inspirar credibilidade. E enviaram, inclusive, à nossa associada uma prova dessa credibilidade: um link de um site que avalia empresas que propõem investimentos em opções binárias. O site demonstrava que o serviço era de confiança. No entanto, a versão em inglês do mesmo site tinha informação radicalmente diferente, indicando que seria uma fraude.

O contacto comercial agressivo que a associada recebeu, pressionando-a para investir de imediato e para recolher o dinheiro em sua casa, é outro sinal de alerta. É uma tática habitual em todo o tipo de burlas.

Conheça mais sinais de alerta de fraude financeira no site da PROTESTE INVESTE.

Fonte: GPI DECO-AlgarveGoogleTrader

Com mais de 23 mil conflitos mediados pela DECO em 2018, mais 35 % que no ano transato e com um valor ganho de quase 3 milhões de euros, os portugueses continuaram a reclamar dos setores habituais, destacando-se pela negativa o seguinte:

1º TELECOMUNICAÇÕES: 34.956

EMPRESAS: MEO -  NOS - VODAFONE - NOWO

O PIOR

A cobrança de 1 € pela fatura em papel - MEO.

O caso NOWO / SPORTTV.

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES:

Período de fidelização, faturação, práticas comerciais desleais e dificuldade no cancelamento do contrato.

2º COMPRA E VENDA: 25.345

O PIOR

Crescimento das reclamações, sobretudo nas vendas em linha, da Worten.

Pequenos retalhistas na sua desresponsabilização “Tem de contactar a marca para acionar a garantia”.

Grandes distribuidores invocam sempre o mau uso por parte do consumidor.

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES:

Problemas para acionar a garantia, incumprimento dos prazos de entrega, falta de informação e práticas desleais nas promoções, incumprimento dos prazos no direito de livre resolução no caso das vendas em linha.

3º SERVIÇOS FINANCEIROS: 19.249

EMPRESAS: Caixa Geral de Depósitos - Wizink

O PIOR

Comissões bancárias- aumento do valor e redução drástica das isenções do pagamento e produtos financeiros – falta de clareza na informação prestada aos consumidores mais vulneráveis – séniores.

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES

Falta de informação sobre crédito à habitação, falta de informação sobre exclusão, franquias, valor da indemnização na área dos seguros.

4º ENERGIA + ÁGUA: 16. 981

EMPRESAS: Energia - EDP Comercial - Endesa - Galp On - Goldenergy - Iberdrola

O PIOR

Atraso no envio da fatura – Galp, práticas comerciais desleais da Endesa e Iberdrola, powerpack da Endesa.

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES:

Faturação - prescrição, consumos excessivos, dupla faturação, práticas comerciais desleais na mudança de comercializador, atraso no envio da fatura.

Água

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES:

Falta de informação sobre as faturas, prescrição e recurso à execução fiscal para pagamento das faturas.

MENÇÕES DESONROSAS:

CP

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES:

Qualidade do serviço – atrasos e supressões e a relação com os clientes.

CTT

MOTIVOS PRINCIPAIS DAS RECLAMAÇÕES:

Qualidade do serviço e incumprimento dos prazos.

O QUE NOS PREOCUPA EM 2019:

Transporte aéreo - Serviços Postais - Comércio em linha - Serviços associados à energia - Comissões bancárias - Rescisão nos contratos de telecomunicação - Regulamento de Relações Comerciais Água.

Fonte: GPI DECO-AlgarveDeco1

 

 

Estamos com os azeites. Vale a pena nos debruçarmos sobre a temática que envolve o chamado ouro líquido. Durante séculos o azeite foi a real moeda de troca de varias sociedades e hoje é um ingrediente indispensável na gastronomia mediterrânica.

Aliás, o prazer do paladar começa logo numa boa entrada de azeitonas* muito bem apresentadas numa azeitoneira* com alho e orégãos*; ou então, para ávidos apreciadores, umas fatias de pão caseiro barrado com pasta de azeitona*. Seja qual for a forma que pretenda apreciar a azeitona, o azeite é sem dúvida o melhor complemento de uma refeição, por acompanhar todos os pratos.

O Mar d'Estórias, com a ajuda do livro Os 100 Melhores Azeites de Portugal, de Edgardo Pacheco* explica de forma sucinta a diferença no uso dos azeites: 

Azeite Virgem Extra – é um azeite de qualidade máxima (acidez de, no máximo, 0,8%) ideal para temperar a cru; 
Azeite Virgem – deve ser utilizado para refogar, assar, confitar ou fritar; 
Azeite Refinado – de categoria inferior e acidez superior deve ser apenas utilizado para frituras de grande volume. 

Para tornar as coisas mais divertidas, porque não fazer uma prova de azeites em casa? Junte a família e amigos e, em vez de fazê-lo como os provadores profissionais que usam os copos azuis, ou então, molhar o pão num pouco de azeite, como se faz habitualmente, sugerimos uma prova de azeites diferente - com camarão cozido descascado! Adquira 4 azeites de diferentes regiões ou produtores e experimente passar o camarão por cada recipiente de azeite. Ao fim de algumas provas vai notar a diferença de perfil de azeite de cada um e o facto de se adaptarem a diferentes criações gastronómicas. 

Boas Provas!

Sobre o Mar d'Estórias

O Mar d'Estórias visa ser um espaço inovador de valorização de tudo o que é Português, com especial ênfase para o Algarve. Este espaço pretende proporcionar a passagem equilibrada entre as diferentes secções de loja, cafe/bistro e galeria de arte, que culminam num bar-terraço a céu aberto e com vista sobre o mar.Mar dEstoriasFonte: Mar d'Estórias

 

Imagem 1O açúcar é proveniente dos hidratos de carbono, um conjunto de moléculas de açúcar presentes nos alimentos que ingerimos, e a glicose é a principal fonte de energia do nosso organismo. É importante saber distinguir os diferentes tipos de açúcar, e para isso apresentamos-lhe o seguinte esquema:

 imagem 2O consumo moderado de açúcar, apresenta alguns efeitos no nosso organismo, nomeadamente dá-nos energia, promove a saciedade, dá-nos força muscular, retarda a fome e é essencial para o funcionamento do cérebro e do coração.    

 Agora que já conhece os diferentes tipos de açúcar e os efeitos do seu consumo moderado no nosso organismo, é de salientar que quando se fala no consumo excessivo de açúcar, fala-se normalmente em açúcar simples, como é o caso da sacarose (açúcar branco), presente nomeadamente nos produtos de pastelaria, nos doces, nas sobremesas, nos refrigerantes, nos sumos de fruta, no mel, nas geleias e nos xaropes.

A sacarose não possui qualquer valor nutricional, e está repleta de calorias vazias, ou seja quanto mais calorias forem ingeridas, maior é a probabilidade do aparecimento de doenças como a obesidade, as doenças cardiovasculares, a hipertensão arterial, o cancro, a diabetes mellitus, a hipercolesterolémia, etc.

 A organização mundial de saúde recomenda que se diminua o consumo de açúcares simples, uma vez que o consumo em Portugal é muito alto. A Organização Mundial de Saúde recomenda que o consumo diário de açúcares simples não deve ser superior a 10% do total de energia diária ingerida e ainda realça que, caso seja inferior a 5%, apresenta benefícios para a saúde, em Portugal consumimos cerca de 18,8%, uma percentagem assustadora.

 Esta ingestão excessiva de açúcares simples vai provocar alterações no nosso organismo, como:

imagem 3

Para não ingerir açúcares em excesso, existem algumas regras essenciais, que nunca deve esquecer:

 

  1. Ficar atento aos rótulos dos alimentos;
  2. Saber identificar quais os alimentos que apresentam grande quantidade de açúcar;
  3. Adotar um estilo de vida saudável, praticando atividade física e preferindo sempre uma alimentação saudável.

 

NOTA: Para saber mais sobre nutrição, pode seguir a nossa página de facebook: Saúde para todos.

Para contactar com o serviço de nutrição, pode usar o email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Sofia Cardeira (1556NE - Nutricionista Estagiária à Ordem dos Nutricionistas)

Serviço de Saúde de Apoio à População da Freguesia de Faro

imagem 4

Freguesia de Faro (Sé e S. Pedro)

Rua Reitor Teixeira Guedes nº2

Tel: 289 803 416

Fax: 289 803 417

www.uf-faro.pt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

mitos alimentaresA alimentação saudável está na moda, todos os dias abrimos a internet e vemos diversas fotografias de comida, de sumos detox, de exercício físico, etc. Todos os dias surge uma nova dieta, um “expert” em alimentação, um novo alimento ou produto milagroso.

  • Na última década aumentou de forma exponencial o número de homens a necessitar de tratamento de fertilidade.
  • A infertilidade masculina representa metade dos casos atendidos atualmente nas clínicas de procriação medicamente assistida.

Intitulada “Total motile sperm count trend over time across two continents: evaluation of semen analyses from 119,972 infertile men”, a investigação do IVI, New Jersey, liderada por Ashley Tiegs, conclui que a proporção de homens com risco de necessitar de tratamento de fertilidade, aumentou de forma exponencial nos últimos anos, passando de 12,4% em 2004 a 21,3% em 2017, um crescimento de 9% em pouco mais de uma década. A amostra, formada por cerca de 120.000 homens, é a maior utilizada até ao momento atribuindo a este trabalho um notável peso científico.

A investigação recebeu ainda, em outubro de 2018, um prémio da Sociedade para a Reprodução Masculina e Urologia entregue na última edição da Sociedade Americana de Medicina da Reprodução.

A infertilidade masculina representa metade dos casos atendidos atualmente nas clínicas de procriação medicamente assistida. “Nas últimas décadas assistimos a uma crescente preocupação com a diminuição das taxas de natalidade a nível global. Para explicar este facto, a sociedade tem, até então, apontado o dedo sobretudo ao aumento da idade média na qual os casais decidem ter o primeiro filho. O que este estudo vem demonstrar é que o problema poderá ser muito mais abrangente e que a fertilidade masculina poderá também estar a diminuir. Tendo em conta que as razões desta alteração na qualidade espermática dos homens são de momento desconhecidas, torna-se importante monitorizar a evolução desta tendência, que poderá manter-se ou agravar-se no futuro”, alerta o Samuel Ribeiro, coordenador científico do IVI Lisboa.

“Trata-se do estudo com a amostra maior até ao momento o que aliado à principal conclusão obtida, abre uma grande incógnita a investigar, acerca das causas que podem estar na sua origem, e confirma com dados objetivos o observamos em consulta e que até ao momento não tinha confirmação científica tão determinada. Depois destes resultados, é necessário analisar com mais detalhe as suas causas e medidas a tomar”, acrescenta o Nicolás Garrido, diretor da Fundação IVI e um dos coautores deste estudo.  

Ainda relativamente às possíveis causas, o médico acrescenta que “existem muitas investigações acerca dos efeitos adversos do estilo de vida tóxico e a exposição constante a fatores ambientais adversos sobre a qualidade dos espermatozoides, mas ainda não se sabe com exatidão o quão nocivos são. Torna-se obrigatório um estudo contínuo e mais preciso dos fatores que podem afetar negativamente a qualidade do esperma”.

Sobre IVI - RMANJ

O IVI nasceu em 1990 como a primeira instituição médica em Espanha especializada em reprodução humana. Desde então ajudou a nascer mais de 160.000 crianças, graças à aplicação das últimas tecnologias em procriação medicamente assistida. No início de 2017, ocorre a fusão entre o IVI e a RMANJ, e o grupo converte-se no maior em Medicina Reprodutiva do mundo. Atualmente conta com mais de 65 clínicas em todo o mundo e é líder em medicina reprodutiva. https://ivi.pt/

http://www.rmanj.com/

Fonte: IVIIVIrma

 

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) vai promover uma campanha nacional de consciencialização para o enfarte agudo do miocárdio, no âmbito do dia do doente coronário que se assinala a 14 de fevereiro. A iniciativa conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República e pretende contribuir para a redução do número de mortes por enfarte.

“Em Portugal, somos muito bons a tratar. Mas para tratar, os doentes têm que chegar até nós mais cedo e, para isso, devem ligar o 112 assim que reconhecerem os sintomas desta doença. Acreditamos que, reduzir o número de mortes por enfarte é uma responsabilidade conjunta, dos profissionais de saúde e de uma população informada. É nesse sentido que surge esta iniciativa”, explica João Brum da Silveira, Presidente da APIC.

Ana Bravo, António Sala, Camila Rodrigues, Carla Lopes, Isaac Alfaiate, Isabel Moiçó, Joana Vieira, João Moleira, João Parreira, Margarida Marques de Almeida, Mariana Alvim, Pedro Couceiro, Serenella Andrade, Sónia Morais Santos, Vasco Domingos e Vera Lúcia Arreigoso são os embaixadores da campanha com o nome “Cada Segundo Conta”.

A campanha, que conta também com o apoio do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), tem como objetivos promover o conhecimento e compreensão sobre o enfarte agudo do miocárdio e os seus sintomas; e alertar para a importância do diagnóstico atempado e tratamento precoce.

“Apesar da maioria das pessoas já identificarem quais são os sintomas do enfarte agudo do miocárdio, muitas vezes não atuam com a rapidez necessária. É importante que o tratamento ocorra o mais rapidamente possível após o início dos sintomas, reduzindo, assim, o risco de mortalidade, a reincidência de enfarte e complicações associadas”, alerta Pedro Farto e Abreu, Coordenador Nacional desta campanha.

Até ao final do ano, a campanha “Cada Segundo Conta” vai promover ações de sensibilização em empresas; apostar na formação de profissionais de saúde que trabalhem na urgência e na pré-urgência; dinamizar encontros com sobreviventes de enfarte e organizar iniciativas de educação para a saúde dirigidas à população. Para mais informações sobre esta campanha consulte www.cadasegundoconta.pt

O enfarte agudo do miocárdio ocorre quando uma das artérias do coração fica obstruída, o que faz com que uma parte do músculo cardíaco fique em sofrimento por falta de oxigénio e nutrientes. Dor no peito, suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade são sintomas de alarme para o enfarte agudo do miocárdio. Não ignore estes sintomas. Ligue rapidamente 112 e siga as instruções que lhe forem dadas. Para evitar um enfarte é importante adotar um estilo de vida saudável: não fumar; reduzir o colesterol; controlar a tensão arterial e a diabetes; fazer uma alimentação saudável; praticar exercício físico; vigiar o peso e evitar o stress.

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), uma entidade sem fins lucrativos, tem por finalidade o estudo, investigação e promoção de atividades científicas no âmbito dos aspetos médicos, cirúrgicos, tecnológicos e organizacionais da Intervenção Cardiovascular. Para mais informações consulte: www.apic.pt

Fonte: MiligramaCampanhaEnfarte1

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC) vai promover uma campanha nacional de consciencialização para o enfarte agudo do miocárdio, no âmbito do dia do doente coronário que se assinala a 14 de fevereiro. A campanha conta com o apoio do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da iniciativa Stent Save a Life, promovida no nosso país pela APIC.

“Em Portugal, somos muito bons a tratar. Mas para tratar, os doentes têm que chegar até nós mais cedo e, para isso, devem ligar o 112 assim que reconhecerem os sintomas desta doença. Acreditamos que, reduzir o número de mortes por enfarte é uma responsabilidade conjunta, dos profissionais de saúde e de uma população informada. É nesse sentido que surge esta iniciativa”, explica João Brum da Silveira, Presidente da APIC.

A campanha com o nome “Cada Segundo Conta” tem como objetivos promover o conhecimento e compreensão sobre o enfarte agudo do miocárdio e os seus sintomas; e alertar para a importância do diagnóstico atempado e tratamento precoce.

“Apesar da maioria das pessoas já identificarem quais são os sintomas do enfarte agudo do miocárdio, muitas vezes não atuam com a rapidez necessária. É importante que o tratamento ocorra o mais rapidamente possível após o início dos sintomas, reduzindo, assim, o risco de mortalidade, a reincidência de enfarte e complicações associadas”, alerta Pedro Farto e Abreu, Coordenador Nacional desta campanha.

O enfarte agudo do miocárdio ocorre quando uma das artérias do coração fica obstruída, o que faz com que uma parte do músculo cardíaco fique em sofrimento por falta de oxigénio e nutrientes. Dor no peito, suores, náuseas, vómitos, falta de ar e ansiedade são sintomas de alarme para o enfarte agudo do miocárdio. Não ignore estes sintomas. Ligue rapidamente 112 e siga as instruções que lhe forem dadas.

Para evitar um enfarte é importante adotar um estilo de vida saudável: não fumar; reduzir o colesterol; controlar a tensão arterial e a diabetes; fazer uma alimentação saudável; praticar exercício físico; vigiar o peso e evitar o stress.

A Associação Portuguesa de Intervenção Cardiovascular (APIC), uma entidade sem fins lucrativos, tem por finalidade o estudo, investigação e promoção de atividades científicas no âmbito dos aspetos médicos, cirúrgicos, tecnológicos e organizacionais da Intervenção Cardiovascular. Para mais informações consulte: www.apic.pt

Fonte: MiligramaCampanhaEnfarte