Resíduos: faltam ecocentros e ecopontos

0
358
> Cidadãos estão satisfeitos com ecopontos mais próximos. Mas criticam a recolha de óleos usados e a falta de ecocentros

, conclui o estudo da DECO PROTESTE sobre resíduos urbanos em 69 concelhos.

> Em Dezembro, a associação de defesa do consumidor inquiriu câmaras municipais e contou com o testemunho de 5031 leitores. Objectivo: saber como são geridos e recolhidos os resíduos domésticos, conhecer as práticas dos consumidores e se estão satisfeitos com a recolha na sua localidade.

> Cada habitante gerou, em média, 45,5 kg de papel, plástico, vidro e metal, em 2008.
Portimão, Loures, Angra do Heroísmo, Maia e Funchal reúnem mais residentes satisfeitos com esta recolha. O ecoponto é a solução mais comum e, segundo a maioria dos leitores, está a uma distância acessível. Quem vive em zonas rurais encontra ecopontos mais distantes, o que dificulta a separação.

> Covilhã, Funchal e Ponta Delgada não têm recolha de óleos de fritura. Apenas num quarto dos concelhos que colaboraram toda a população é abrangida e, das 41 localidades com ecocentro, só em metade é possível entregá-los. Mais de 40% dos leitores deita o óleo no esgoto ou quintal e 21% numa garrafa no lixo. “Dada a falta de soluções, não estranhamos que três quartos dos inquiridos estejam insatisfeitos”, denuncia.

> Segundo a DECO PROTESTE, “faltam ecocentros e são precisos mais ecopontos ou criar circuitos de recolha porta-a-porta, para todos poderem separar os resíduos, sobretudo nas zonas rurais.” Nas cidades, as recolhas devem ser mais frequentes ou a capacidade dos ecopontos maior. “É preciso esclarecer melhor os cidadãos. Os portugueses querem participar, mas as câmaras têm de criar condições para este empenho não desaparecer e conquistarem novos adeptos”, reivindica.

“DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor”

 

{sharethis}

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui