DECO: “Hospitais deixam de vender doces nas máquinas automáticas?”

0
197

As máquinas de venda automática de alimentos, colocadas nos centros de saúde, hospitais e unidades locais de saúde, não podem ter à venda produtos prejudiciais à saúde. Também as máquinas de bebidas quentes têm de reduzir a quantidade de açúcar a adicionar.

O prazo para os contratos já existentes para a exploração das máquinas de venda no Serviço Nacional de Saúde se adaptarem a esta nova medida terminou em Março.

Desta forma, o Ministério da Saúde proíbe que as máquinas de venda automática disponibilizem salgados, pastelaria (bolos, pastéis com massa folhada ou donuts), sanduíches ou outros produtos que contenham chouriço, salsicha, chourição ou presunto. Também bolachas e biscoitos que contenham, por cada 100 g, um teor de gordura superior a 20 g ou um teor de açúcares superior a 20 g, refrigerantes, rebuçados, caramelos, chupas ou gomas, mousse de chocolate, leite-creme ou arroz doce estão proibidas.

Nestas máquinas também não podem constar hambúrgueres, cachorros quentes ou pizas, chocolates em embalagens superiores a 50 g e bebidas com álcool.

Nas máquinas de venda automática de bebidas quentes terá de reduzir-se as quantidades de açúcar que pode ser adicionado em cada bebida, para um máximo de 5 gramas.

Os responsáveis pelas máquinas terão de disponibilizar obrigatoriamente garrafas de água mineral natural e água de nascente e devem incluir preferencialmente os seguintes alimentos:

•       leite simples meio-gordo/magro;

•       iogurtes do tipo meio-gordo/magro, preferencialmente sem adição de açúcar;

•       sumos de frutas e néctares;

•       pão com queijo meio-gordo/magro, fiambre com baixo teor de gordura e sal, carne, atum ou outros peixes de conserva;

•       fruta fresca.

Sendo cada vez mais imperativo difundir um estilo de vida saudável, que passa inevitavelmente pela alimentação, a DECO aplaude a iniciativa do Ministério. Através do exemplo, com uma oferta alimentar para os utentes coerente com as suas mensagens, os serviços de saúde cumprirão melhor, sem dúvida, a sua função de promoção da saúde e a adopção de hábitos alimentares saudáveis.

Fonte: DECO-Delegação Regional do Algarve

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui